sexta-feira, maio 28, 2010

As mulheres que se apaixonam pelos padres.

Padre, não sei que sinto, mas sei que sinto algo pelo padre da minha paróquia. Por mais que me esforce em ver nele o sacerdote, não consigo deixar de pensar nele como homem. Já tentei afastar-me, mas procuro-o na confissão, na Eucaristia, nas palavras que diz e nos apertos de mão que faz. Vejo em cada um dos seus apertos de mão um aperto no meu coração. Pior que isso é imaginar que em cada aperto está um beijo discreto. Ele cuida a distância com o aperto de mãos. Mas sentir a sua mão na minha, no meu tacto, pesa mais que um beijo na face, porque este passa mais rápido e não me demora nos pensamentos. O senhor é padre. Sabe, de certeza como pensam os padres, como sentem, como amam, como se apaixonam, como são fiéis ou não, como conseguem ou não viver o celibato. Diga-me. Será que ele me pode amar um dia. Será que devo deixar crescer em mim este desejo? Eu não quero afastá-lo de Deus. Mas também não queria que Deus o afastasse de mim.
A conversa aconteceu por email, num anonimato que entendo. Da mesma forma respondi, não tanto pensando no padre que se pode apaixonar ou no padre que pode discordar do seu celibato. Antes no padre que quer ser fiel nesta forma de entrega a Deus. No padre que não quer pensar em viver de outra forma. No padre que está distraído e não deu conta que a sua vocação está atraindo alguém de forma mais intensa que a intensidade de Deus. Não sei se fui correcto, porque a vontade de Deus é que todos sejamos felizes, quer nas nossas opções, quer na nossa forma de deixar que a vida aconteça. Mas depois de carregar na palavra “enviar”, não consegui deixar de me questionar. As mulheres que se apaixonam pelos padres sentem-se atraídas pela pessoa ou pelo padre? O que as seduz é o gesto do padre ou o carinho do homem? O padre ou o homem que está dentro do padre? E caso os padres correspondam, fá-lo-ão pelo vazio que têm ou pelo amor que têm? Para viver a sua afectividade ou para a sossegar?

221 comentários:

1 – 200 de 221   Mais recente›   Mais recente»
Confessionário disse...

Olá, amigos. Gostava de esclarecer que nao revelei nenhum segredo, e até pedi autorização à pessoa em causa.

abraços.

Anónimo disse...

Jà estive nessa situação.. de certo modo ainda estou... no meu caso, primeiro era um grande amigo, a quem se podia falar tudo que viesse na cabeça.. esse amigo era cavalheiro, inteligente, bem humorado, corajoso... sempre esquecia o que ele era.. quando lembrava doia muito.. não era porque ele era/é padre, era pela pessoa que ele era/é. Já não temos mais nada há alguns anos, mas continuamos amigos, conversamos sempre que nos encontramos em algum lugar, não falamos do passado, falamos do presente, do que estamos fazendo, da vida, de coisas alegres e tristes,ainda existe cumplicidade de pessoas que foram muto proximas, e ele continua sendo muito especial para mim, e sei que ainda sou para ele, mas agora de outra maneira.

Anónimo disse...

Boas questões, Sr. Padre.

Canela disse...

Com o respeito que a situação merece, permita-me dizer:

"ganda" batata quente...

Ás vezes penso que sou tola, e nunca pensei que essas coisas podessem acontecer (esta é a minha tolice)... mas... isto é um espaço de partilha e eu deixo aqui a minha forma de pensar, mesmo parecendo tolice, sei lá!

Humanamente falando; eu vejo o padre como o marido da minha melhor amiga - entenda-se: intocável!

Dava muito jeito á pessoa em questão mudar de paróquia, não?

Teodora disse...

Ó padre eu acho, só acho:

Alguém adulto que se apaixona pelo padre sente-se atraída pelo homem, busca e tenta descortinar a pessoa que está dentro do padre. (a menos que seja uma adolescente e aí é a tontaria da idade, ou então alguma adulta tarada por fardas!)

Partindo do princípio que o padre é um homem integro um e outro são indissociáveis.

Nessa circunstância, não existe carinho de padre, padre é homem simplesmente. Trata-se de um homem que é padre e não um padre que é homem.

Acho que se não houvesse celibato, ou melhor, se este fosse opcional, o semblante, a tranquilidade, a atitude, seria muito mais serena por parte de alguns padres. Existiria maior serenidade. Nota-se que alguns fazem-no em esforço. São descompensados.

As homilias teriam, certamente, outra inspiração… reveladores de maior equilíbrio emocional, de maior dimensão humana e menos livresca, factual e dogmática. Não seria tão agarrada ao texto, voariam mais alto.

Maria disse...

Olá Senhor Padre,
Aí está uma boa questão para dissertar,delicada, verdadeira, mas ainda tabu. Mas não as estas horas da noite, são 4 da manhã. O que faz uma pessoa não ter sono. Oportunamente eu dou-lhe a minha opinião como mulher, sem experiência própria, mas por aquilo que deduzo e do muito que já apreendi, mercê dos aninhos que já contam.
Para já um abraço fraterno
Maria

Teodora disse...

ó pe.

Quantas homilias já teriam sido escritas por mulheres?

Alguns de vocês estão sempre tão atarefados. Correm de um lado para o outro. Fogem de algo ou correm atrás de algo?

D. R. disse...

Partilho das questões que colocou no final do "post".

Porque penso que as duas possibilidades que coloca em cada pergunta são possíveis. As duas acontecem.
E será sempre difícil, para quem ama um padre, saber se o seu caso é um ou outro.

Normalmente, só se pensa: eu AMO-O.
Mas nunca nos questionamos se esse amor é por isto ou por aquilo...

Excelente "post" que, embora repetindo (de certa forma) uma ideia de um "post" anterior, será sempre actual. :)

Na minha humilde opinião, o que, muitas vezes, fascina as mulheres é o jeito diferente com que um padre olha a vida. É cativante. (Graças a Deus que assim o é.) E esse facto pode levar a uma admiração,... E, quem sabe, a algo mais.
Mas não coloco de parte o facto de que o proibido, o sagrado, também atrai muitas pessoas.
E não significa que isso seja amor.

Ou seja, acabamos por ter sempre duas soluções para a questão.

Só espero que a senhora em causa encontre resposta para o que sente. Porque só ela conseguirá encontrar a solução, essa resposta. Porque, pelo que noto no relato do sr. padre, é uma pessoa muito fiel a Deus e à sua fé.
Não quer colocar o seu amor acima de Deus. Mas, ao mesmo tempo, o que sente é forte demais para não desejar isso.
Está a viver um dilema que, se fosse eu, também não conseguiria suportar.

Um abraço fraterno para essa senhora. Coragem, amiga.*

Anónimo disse...

http://www.adnkronos.com/AKI/English/CultureAndMedia/?id=3.1.453932039



Zagreb, 27 May (AKI) — Croatia is drafting a bill to legalise incest between consenting adults in the predominantly Catholic country, local media said on Thursday. Under the draft bill, adult sexual relations between brother and sister, father and daughter and mother and son would no longer be a criminal offence if they are entered into voluntarily.

A group of prominent jurists, professors and lawyers were working on the bill, but it was too early to say whether, or when, it would be tabled in parliament, Zagreb daily Vecernji reported.

“It is an open question whether the time is ripe to free adults from criminal responsibility for such behaviour,” said doctor Velinka Grozdanic, a member of the task group.

But Ksenija Turkovic, a Zagreb University law professor and head of the group, said that legislation in many European countries was moving towards legalising incest.

She said incest has been legal in France for over 200 years, but recent legalisation moves in Germany have failed.

“If an adult brother and sister willingly indulge in sex, who is the victim that should be protected,” Turkovic asked.

“There is no victim, only public morality is violated.”

Prominent Catholic commentator Zivko Kustic said that the abolition of punishment was not necessarily tantamount to approval.

“One should make a distinction between punishment and approval,” Kustic said.

“If the state decides not to punish something, it doesn’t mean that it considers it good or decent.”

The Catholic Church allows marriage between relatives who are more distant than first cousins, who need a special dispensation to wed.

Anónimo disse...

Olá amigo,quem como eu deixa o exercicio do sacerdócio para casar, fá-lo por amor, por amor á verdade, por amor á pessoa, e sobretudo por uma verticalidade de consciência.O homem e o padre são um só em mim.A verdade de Deus é bem diferente da que nos "impingiram" desde meninos!
Acredita a felicidade conquista-se em cada dia que passa.
Cada vez que olho o olhar terno da minha filha, vejo a verdadee a correcção do paso que dei.

Abraço de irmão.

F.F.

Anónimo disse...

o senhor padre arranja cada questao que nos ficamos a ver navios , mas eu nao resisto a comentar . quando as pessoas estao bem resolvidas em questoes do coraçao, como e o meu caso, sabem separar as aguas ,e eu tenho uma pessoa que e especial para mim e vai ser sempre , mas nao me esqueço nunca da missao que ele tem , faz parte da minha vida como eu sinto que faço parte da dele. nao tenho segredos para ele , sabe sempre quando estou mal , e ao pe dele nao posso estar triste porque ele nao deixa , eu falo-lhe das coisas do mundo , e ele conduz-me pelo caminho mais certo , que e o caminho do senhor. um abraço

Fora-da-lei disse...

Eu gostava de aprender era a gostar de padres,pois fujo deles como o diabo foge da cruz....rsrsr

Dulce disse...

Parece-me que se apaixonam pelo homem, não pelo padre. Ou até pela ideia que fazem dum homem que não conhecem verdadeiramente, mas isso também acontece sem que o homem em questão seja padre.
(A mim aconteceu-me sempre... buááá!!, e confessar isto publicamente até é giro, principalmente pq já não me magoa, já passou :))

Anónimo disse...

Ou vice versa, os padres que se apaixonam pelas mulheres. Será que era isso que queria dizer?!

Fernando Gonçalves disse...

Coloco esta pergunta: A politica, a filosofia e a religião têm sexo ? No meu ponto de vista, estas são domínios de grandes pensamentos/ideais da humanidade que não nem podem ser propriedade só do homem, pois a mulher tem também lugar.
Na religião católica existe a regra obrigatória de celibato para os sacerdotes. Será que a mensagem dos evangelhos é diferente quando pregada por sacerdotes casados ? Mas no seio da igreja católica há também sacerdotes casados legais …
Um padre antes de o ser é um homem e sacrificar a sua virilidade é uma aberração natural. Permitir o casamento aos padres católicos é também uma forma de reduzir drasticamente os escândalos que vêem a público.

Emilia disse...

Eu acho que deve ser muito complicado e doloroso!

Anónimo disse...

Sr. Padre,
Com todo o respeito que me merece um sacerdote parece-me que quem poderá responder às perguntas que coloca são os próprios.
Ambas as partes são humanas e como tal sujeitas às "leis" da Natureza.
Só Deus saberá o que lhes vai na alma, como também só Deus escolhe os "ungidos".
Será que estou certa ou errada?
Abraço fraterno.

pe.cl disse...

Talvez o anonimato fosse o mais facil neste momento, talvez quem se habituou a ver-me de outro modo fique surpreendido, talvez para os que me conhecem seja o culminar de um longo e arduo caminho...mas tambem eu passei por isso...neste caso eu o scerdote que queria ser fiel ao celibato, que nao deixaria que alguem ousasse aproximar-se de mim com outras intençoes, mas os caminhos de Deus sao insondaveis e so ELE sabe o que e melhor para nos e onde e como nos somos mais felizes...
Sim tambem eu me apaixonei e tambem eu estou no "caminho da felicidade" porque Deus que E amor quer que nos sejamos felizes...inicialmente talvez fosse o vazio a permitir que a minha atençao se voltasse para outro lado...hoje tenho a certeza que foi Deus que me deu uma nova oportunidade de ser feliz, sim no caminho da uniao esponsal, no matrimonio, aguardo a dispensa do ministerio sacerdotal para me unir definitivamente aquele que amo...porque as minhas convicçoes mantêem-se e a minha vontade de servir a Deus igualmente...agora investido no ministerio da edificaçao pelo testemunho conjugal...
Peço desculpa por me ter alongado e agradeço a possibilidade de tambem eu poder aqui expressar a minha opiniao.
Um abraço forte em Cristo

Maria disse...

Olá senhor padre,
Eu fiz um coment ao seu texto ou não recebeu, ou eu julguei que tinha enviado e não envei. Se por acaso recebeu e não gostou por quarquer motivo da minha apreciação, gostaria de saber.
beijinhos
Maria

Domingo disse...

Boa tarde, gostaria também de questionar se os padres, não se apaixonam por mulheres. E se o fruto proibido não é o melhor. A questão do celibato e da castidade dos padres é sempre muito complicada, até porque são os proprios a esconder os seus sentimentos.
Uma abraço

Kitty Jane disse...

Sr. Padre,

eu tenho um novo Padre novo na minha Paróquia. Por ser novo e muito actual é uma pessoa com quem nos sentimos à vontade para questionar. Um dia a conversa seguiu por essa via. Ele respondeu que sim. Que realmente os Padres têm desejos...mas que fazem retiros e que muitas vezes são chamados pelos seus superiores para esses retiros, para se lembrarem da sua Missão como Padres e Homens de Deus.
Adoro o seu blog! :)

Anónimo disse...

Já estive nessa situação. E foi pelo homem que me apaixonei. Foi o homem que amei. E foi o homem que me decepcionou, pois usou-me para o que quis, dizendo que me amava, que sempre tinha estado atraído por mim, que só tinha ido para o seminário porque eu tinha arranjado namorado. Mentira, Sr. Padre. Mentira.
Ele usou-me e jogou-me fora.
Um padre a sério, que tivesse vocação, que se quisesse entregar a Deus, não me seduziria como ele o fez. Eu não me dei conta, juro que não. Para mim, ele era meu irmão. E quando deu por mim, aconteceu o que aconteceu.
Todos nós temos fraquezas, sim. Mas a reacção dele depois foi de cobardia. Eu fui vista como a desencaminhadora. Não é esse o papel das mulheres na igreja? As introdutoras do Mal? Revolta-me, isso. Porque aos olhos dos outros, ele era perfeito.
Admito que tenha sido uma fraqueza. Mas até hoje, nem um "desculpa". Abandonou-me simplesmente. Se me pergunta se confio mais em padres? Confio num. Mais nenhum me inspira já confiança. Sou católica, sou praticante, mas... já só vejo o homem, não o ministro de Deus... e dói muito ter perdido essa confiança.
Desculpe se o ofendi, não era de todo minha intenção, mas não podia deixar de comentar... :(

Anónimo disse...

Olá,
Até que ponto esse sentimento que a senhora tem pelo padre, não é a manifestação de um vazio por vezes existente em cada ser humano, a parte espiritual ou seja o apelo do Divino em cada um de nós.
Sou mulher e também eu já me senti atraída por um sacerdote.
Depois de esmiuçada bem a questão cheguei à conclusãoque na realidade essa atracção verificou-se porque: Inata, ele possui, uma alegria de viver contagiante, manifesta em tudo o que faz.
claro que essa manifestação é tão evidente a vida social como na religiosa, aliás atinge inclusivé o seu êxtase quando do púlpito prega a Palavra Viva de Deus Vivo.
Penetra deveras no interior de cada um, claro dos que estão receptivos.
Cabe a cada um, no seu interior saber distinguir e identificar cada manifestação que nos toca.
Foi essa combinação mágica que me atraiu.
Se retirar-mos a Pregação da Palavra ao Homem cuja missão é essa mesma, deixa de haver sintonia em nós, a intensidade das Palavras proferidas outrora, sob a influência do Espirito Santo, ficam sem a Força do Espirito.
Meus Amigos falei por mim e só por mim.
Isto nao passa de uma situação pessoal, vivida apenas pelos intervenientes.
Espero que a Senhora consiga identificar bem qual a natureza do sentimento que por ela passa.
No final de tudo acho que Deus me mostra o seu toque através daquela pessoa, para que eu possa concluir que sem a Influência do Espirito somos apenas comuns mortais.
Paula

Anónimo disse...

no coraçao ninguem manda e as vezes prega-nos partidas e preciso e separar as aguas , e eu tambem tenho uma pessoa muito especial , na minha vida que por acaso e padre, e o que nos liga e um sentimento tao nobre que se chama Amizade.

Teodora disse...

pe.
pelo ritmo das suas actualizações quer-me parecer que o senhor está incorrer no 7º pecado mortal, se não for em outros, pois, o ócio poderá ser uma porta aberta para outros pecados, quer do corpo quer do espírito e, conforme o senhor sabe melhor do que eu, sem arrependimento ou confissão, estará a sua alma condenada ao fogo eterno do inferno.

Anónimo disse...

Olá Conf.

È complicado olhar para o homem sem ver o padre e olhar para o padre sem ver o homem. Talvez a minha mae só veja o padre...

Calma eu não estou a referir-me a velhotes como tu...Mas aqueles jovens padres na casa dos 30 anitos...

O Né da minha paroquia é daqueles que dá gosto ouvir.É daqueles que dá gosto ver. Dá gosto sonhar...
Tem vocação para ser padre, em cada gesto, em cada palavra, em cada olhar, está muito patente o seu amor por Deus. Mas tambem está muito vinculado o seu eu, de Homem.

Eu penso que só existe o sentimento de paixão por um padre naquelas pessoas que lidam muito com ele.Aquelas que só os vêm na missa devez em quando, apenas olham, apreciam, e não voltam ligar.

Não acredito no amor há primeira vista, portanto essa paixão tem de ser alimentada. No dia a dia. E só convivendo é que pode surgir.

Da parte deles eu penso que o que leva a corresponder é a falta de carinho de uma mulher.
Conf. muitos de vocês entraram para o seminario com 10/15 anitos e só sairam de lá para serem ordenados. É tipo um principe, que ao nascer sabe que vai ter de casar com uma mulher de sangue azul e não pode olhar para uma plebe. Vocês entram e poucos são os que conviveram com uma mulher, e mais tarde fora das paredes do seminário, quando já estão nas paroquias é que sentem mais essa sensação de solidão.

A maior parte das vezes penso que não é amor.È mais um preenchimento de uma vida parca de carinho, de afeto.
Nós jovens, é tão facil encontar-mos um amigo no meio do caminho e darmos-lhe um longo abraço.Dividir as nossas tristezas com alguem, apenas com um simples gesto. E vocês não podem ter esse gesto em publico com uma mulher. E quando o têm em privado, fica sempre um ou outro comentario no ar. Aqueles que na realidade amam, ou continuam a amar em silencio durante a vida inteira, ou abandonam o sacerdocio.A maior parte amam em silencio...

Um abraço.Continue fiel a Cristo.

Alexandra

Anónimo disse...

Conheço um padre, que foi padre, apaixonou-se, deixou de ser padre e casou.
Foi e é, grande amigo do meu irmão, a quem presidiu ao casamento.
Continua a ser a fantástica pessoa que sempre foi e a ser respeitado pelos amigos.
Os padres, antes de serem padres são homens.Essa coisa do celibato dos padres é uma idiotice e na maior parte dos casos uma hipocrisia.
O que é que tem amar uma mulher e ser ou não padre?
E não me venham com a conversa da incompatibilidade por causa da entrega a Deus e aos outros.Antes pelo contrário...se os padres pudessem ter família,filhos, seriam pessoas mais completas e mais próximas dos outros.
Os padres já se deviam ter unido para acabar com esse disparate que não está escrito em lado nenhum.

F.

Anónimo disse...

Olá
E os Padres que se apaixonam pelas mulheres?
É o outro lado da questão, a qual me esqueci de referir na minha anterior intervenção.
Sim porque, por detrás da Missão particular de cada um existe um corpo carnal, que também ele deseja...
Paula

Teodora disse...

pe.

ocorreu-me uma dúvida existencial. explique-me: se juntarmos dois vazios, obteremos 1 cheio ou dois vazios mais cheios?

Anónimo disse...

Caro Padre, como está?

Eu sou uma dessas mulheres que amam um padre, já a mais de cinco anos vivo esse amor, hoje tenho certeza que ele também me ama, no entanto, nunca houve nada entre nós, apenas um ou outro abraço, apertos de mãos e raras vezes, um beijo no rosto, sempre na presença de outras pessoas.Veja Padre, eu me encantei pelo padre, mas com o passar do tempo percebi que amava também o homem que existe dentro do padre, com todas as limitações próprias do ser humano. Para mim que venho de uma família muito católica e de principios rígidos, sedo ainda por cima, uma mulher casada, descobrir que estava amando um Padre, que além de Padre, era/é também dirigente espiritual do grupo ao qual pertenço, a descoberta desse amor, me tirou o chão, me deixou atônita e com raiva de mim mesma. Passados mais de cinco anos dessa descoberta e após muita oração, eu tenho conseguido conviver com esse problema, só não consigo deixar de ama-lo, pareçe que estou condenada a carregar dentro do peito, para sempre esse amor. O pior é perceber que ele também sofre,também se angustia e em cada aperto de mãos eu sinto e sei que ele, tambem toda a energia desse amor que apesar de proibido é um amor puro.

Zulinda-bela disse...

Acho que uma mulher apaixona-se primeiro pelo homem, mas o facto de ser padre também pode contribuir...há um certo deslumbramento que pode levar à paixão...
Na maior parte dos casos, um padre é um homem bom (no bom sentido!). Pode ser divertido, culto, inteligente, bonito, simpático, afável, acolhedor, amigo, carinhoso, compreensivo... Tudo boas razões para uma mulher se apaixonar...
...e depois há mulheres que se apaixonam por padres por razões esquisitas...ou porque se sentem carentes, ou porque gostam de coisas dificeis, ou porque se sentem inseguras...sei lá!
Mas não deve ser fácil...
E para um padre ainda deve ser mais complicado, porque há outros valores em causa...
Seja como for, um padre é como um homem casado... se já tem um compromisso, deve-se guardar respeito e não deixar avançar as coisas, mesmo que isso exija algum sacrificio...

Anónimo disse...

Bom dia!

Foi ridicula a sensação quando esta manhã entrei aqui. " eu não acredito nisto, não pode ser" As lagrimas apareceram sem eu querer.Tocou-me. Vou falar de mim, não dele, porque dele eu não sei...
Sinto algo por ele. Não sei bem o que é. Mas é algo que me ocupa o pensamento muitos minutos dos poucos minutos livres do meu dia.Nas ultimas semanas este sentimento cresceu, devido talvez a uma maior convivencia com ele.No domingo quando entrei na igreja tive medo, muito medo. Sabia que ia pecar, porque nós tambem pecamos em pensamento. Passei toda a eucaristia a olhar para o chão, para as paredes, para as flores, e por momentos quando os nossos olhares se tocavam eu desviava o olhar. Sentia-me mal.Incomodada.Não podia sair dali. Agora não podia. Não o ouvi,não o vi, apenas o senti.Quando chegou a hora da comunhão, as minhas pernas recusaram-se.Sentei-me no banco e fiquei a olhar.Fiquei a pedir perdão a Deus. Não consegui ir tomar o Corpo de Cristo.Simplesmente dentro da igreja não consegui lidar com ele. Horas mais tarde num convivio da paroquia onde ele estava, e por momentos sentada na mesma mesa que ele, junto de um grupo de amigos. Ouve algo que me tocou. Durante a conversa ele apenas olhou para mim, poucas palavras disse, apenas olhava.Na hora achei estranho esse comportamento dele, geralmente esta sempre a falar, rir, e ali estava simplesmente sereno a olhar. Horas mais tarde quando tive algum tempinho para pensar, visualizei outra vez o seu olhar. E ai precebi que aquilo não passou de um pequeno raspanete, sobre a forma que eu olhei/não olhei para ele durante a eucaristia.A forma com que eu estava a afastar-me do nosso Deus. Sei que isto não passa de uma simples atração pelo homem/padre.Sentimento ainda muito pequenino, que com sensatez de ambas as partes, não vai passar dali. Mas incomoda,incomoda muito.

Manuela

Confessionário disse...

Olá, amigos, peço desculpa por não ter publicado os coments antes, mas estive muito ocupado e ainda estive de folga, coisa que é rara.


ó teodora, e se forem dois vazíos que tornam tudo ainda mais vazio?

Aos restantes amigos,sobretudo aos que manifestaram nao so a sua opinião pessoal, mas os sentimentos e opções, agradeço muitíssimo a partilha.

Anónimo disse...

Amantes de padres escrevem ao Papa para pedir fim do celibato

São 40 mulheres que dizem saber do que falam quando defendem que um padre tem de "amar e ser amado".
Stefania Salomone, uma funcionária administrativa de Roma com 42 anos, já teve duas relações com padres católicos. Decidiu criar um site para encontrar mulheres com a mesma experiência e hoje está em contacto com cinco dezenas: 40 assinaram uma carta aberta dirigida ao Papa Bento XVI para lhe pedir o fim do celibato obrigatório.

Descrevem-se como "mulheres de todas as partes de Itália que estiveram ou estão numa relação com um padre ou um religioso", habituadas a viver "em segredo" e a experimentar "diariamente as dúvidas, os medos e as inseguranças dos nossos homens". Um padre, escrevem estas italianas, "precisa de viver com os outros seres humanos, experimentar sentimentos, amar e ser amado".

A carta está na Internet desde o fim de Março, altura em que o tema do celibato voltou à agenda do Vaticano a propósito das denúncias de abusos sexuais. A ideia de escrever ao Papa surgiu depois de este ter reafirmado "o valor sagrado do celibato".

A obrigatoriedade do celibato, dizem as 40 mulheres, não é uma lei divina, mesmo que a Igreja a apresente como "vontade de Deus". É antes uma "regra humana", introduzida por "razões de interesse económico e de conveniência", que não se encaixa na vida de muitos padres e faz com que a maioria destas relações acabe "em vergonha". É por saberem isso que elas pedem a Bento XVI para admitir que talvez estes homens só consigam cumprir plenamente os seus deveres de padres quando as suas vidas forem completadas com o casamento

A missiva foi entretanto traduzida e publicada em sites espanhóis e ingleses e noticiada pela agência on-line GlobalPost. Apesar de o texto ser apoiado por 40 mulheres, apenas três signatárias publicaram os seus nomes. Para além de Stefania Salomone, assinam Antonella Carisio, de 41 anos, e Maria Grazia Filippucci. O Vaticano recusa comentar.

(continuo já a seguir)

Anónimo disse...

(continuação do meu post anterior)

As mulheres descrevem experiências diferentes com pontos em comum. Dizem, por exemplo, que "uma das declarações mais recorrentes dos padres às suas "companheiras" se resume em poucas palavras: "Preciso de ti para ser quem sou", isto é, um padre". A maioria "não está disponível para desistir da vida de padre por uma mulher, querem as duas coisas", disse Stefania Salomone à GlobalPost. Quando descobertos, os padres tendem a abandonar as mulheres, sendo-lhes muito difícil deixar a Igreja.

Um anel de noivado

Antonella Carisio conta ter tido um caso com um padre brasileiro que dormia frequentemente em sua casa. Edecir Calegari, que conheceu quando ambos geriam o centro de juventude da sua paróquia, quis até ser apresentado ao filho dela e ao resto da família como seu companheiro. A relação acabou por ser descoberta e denunciada por outro padre e o seu amante foi transferido para Roma: "Quando ele se foi embora até me deu um anel de noivado".

Entretanto, Calegari regressou ao Brasil como missionário, algo que prometera nunca fazer. Carisio "era uma amiga e uma confidente, mas nunca estive apaixonado por ela", diz o padre, questionado pela GlobalPost. Calegari afirma lamentar "profundamente" o que aconteceu e garante que defende o celibato.

Carisio diz que nunca lhe pediu para renunciar à sua vocação: ele entrara no seminário aos 12 anos e não imaginava a possibilidade de ter outra vida, explica. Para além disso, era admirado por todos os amigos e pela família: "Sempre lhe disseram que ele estava a dedicar a vida a algo superior, melhor do que tudo".

Essa crença e a incapacidade de abandonarem a posição que vêem como um privilégio são partilhadas por muitos. B., uma advogada da Toscana de 40 anos, disse à GlobalPost que o padre com que se envolveu "era crítico dos aspectos mais reaccionários da Igreja e do celibato compulsivo", mas isso mudou quando um novo bispo lhe ofereceu novas oportunidades.

Mas também há os que escolhem as mulheres: segundo a revista La Civiltà Cattolica, desde o Concílio Vaticano II (1962-65) perto de 60 mil padres deixaram a Igreja para casar.

Teodora disse...

pe.

eu acho que se os bispos lerem estes comentários, a partir de amanhã mesmo, vão mandar-vos celebrar missa de burca, de costas, mudos e quedos! nada de cantorias nem de sorrizinhos.

retiro semanal obrigatório e folgas só vividas no mosteiro!

D. R. disse...

Venho partilhar que tenho dois amigos, um padre e um diácono, com quem debati estas questões do celibato.

Os dois reconhecem ser, por vezes, muito difícil "fugir" às mulheres que os assediam.

Mas afirma o meu amigo diácono que a decisão de entrar para a Igreja através desta vertente do sacerdócio é uma decisão difícil, custosa mas que assim o é tal como também o é a decisão que um homem toma quando pensa em casar-se.

Raro é o homem que não sente algo por uma mulher quando é ordenado sacerdote. Mas, mesmo assim, segue o caminho do sacerdócio por ser esse o caminho que sente ser o seu.
"É uma decisão que se toma em frente ao sacrário, lavado em lágrimas de muito sofrimento", disse-me ele.
Porque sabe que será difícil. Mas também é difícil a vida de casado.

Se um padre é tentado pelas mulheres, um homem casado também o é.
Um e outro devem fidelidade a outra pessoa, à Igreja e à mulher, respecivamente. Um e outro sentem na pele as amarguras do celibato. Celibato é também a atitude que um homem casado deve ter em relação às outras mulheres.

A fidelidade requer muito amor e muito sacrifício. E o amor requer fidelidade.

Teodora disse...

Alguns relatos aqui feitos recordaram-me um livro que li
quando eu tinha uns 18 anitos, há muitos anos: Pássaros Feridos.

O filme não vi. O livro ficou-me. É um bom romance agora que o Verão se aproxima.

Canela disse...

Ocorre-me dizer que tudo é fruto da falta de oração! Tanto de um lado, como do outro.

Ocorre-me pensar "alto": porque se deixa o lume, perto da estopa?

Creio que tudo se funde e confunde... e não é bom!

Nunca me apaixonei pelo namorado das amigas, nem catrapisquei o olho ao marido das outras (gosto cá muito do meu marido rabujento)... nunca confundi amizade com amor e por isso nunca desperdicei uma boa amizade... e acho que é por aqui que as coisas se baralham... ou deixam que se baralhe, não sei...

O que acho fundamental, é que o Pe. seja sempre coerente! Se é padre que o seja na verticalidade da Igreja Una, Santa, Católica. Acaso este verifique que o peso é demasiado... pois então que fale com o seu Bispo e que assuma a sua verdadeira vocação com amor, sinceridade e coerência!

Não me agrada vidas duplas, são decadentes e entram sem sintonia com uma sociedade parca de valores morais, onde tudo é normal e demasiado promiscuo!

Perdoem-me a sinceridade... sou apenas isto!

Maria disse...

Olá Senhor Padre,
Ainda bem que teve uma folga, pois também precisa descansar.
Já não vou adiantar nada ao meu coment, porque tudo já foi dito pelos outros penitentes e ilustrado com casos verídicos.
Muita força, muita paz e muita luz do Espírito Santo.
Abraço fraterno.
Maria

Anónimo disse...

O pedido do celibato é conhecido por todos os seminaristas,não vão atrás do desconhecido. Tentações também os casais podem ter, agora o mais importante é saber fugir delas. Portanto Srs. Padres saibam fugir das TENTAÇÔES.Com tantas dúvidas ainda vamos ter o ser Padre como via profissional, com o beneficio de terem tudo mesmo antes de trabalharem.

Teodora disse...

A Igreja não é mulher, Deus não é mulher e fé não é mulher.

Com todo o respeito pela perspectiva de quem é padre, mas a fidelidade a Deus nada tem a ver com fidelidade a uma mulher. São departamentos completamente autonomos.

O celibato exige um excelente dose de mazoquismo. Desculpem, mas é o que penso.

Exigem aos padres o que não se deve exigir. Mexe com o que há de mais intimo. Viola.

Moçambicano disse...

Olá, Caro Amigo P.e "Confessionário".
Olá a Tod@s quanto@s por aqui passam.

Queria em primeiro lugar destacar a coragem do "Confessionário" em lançar este tema - as mulheres que se apaixonam pelos padres (e vice versa) -, para o debate. Decerto ele tinha a noção de que podia estar a abrir uma "Caixa de Pandora".

Em segundo lugar, tenho gostado de ver sobretudo comentários de Mulheres. É bom que sejam de facto Elas a debater este tema, em primeiro lugar, com a sua sensibilidade, os seus sentimentos, a sua forma de "ser Igreja".

Por último, tenho gostado de ver os Testemunhos de Padres - quer tenham optado ou não por se casar.
Mas sinto que poderíamos ainda assim ter muito mais testemunhos de Padres que se apaixonam (e as razões de cada um)...
Só que não é "politicamente correcto" e, mesmo a coberto do anonimato, penso que haverá um certo receio das consequências que essa confissão lhes possa acarretar.
É pena. Se calhar estamos a perder uma ocasião para - serenamente -, podermos ter uma "panorâmica" sobre o assunto.
E que depois, com os "dados" devidamente tratados, merecia ser levado a "quem de direito" - Bispos.

Pessoalmente - e até porque já soube o que significa viver sozinho durante anos, abdicar de afectos por dedicação a "causas maiores" -, sou pelo celibato opcional. E sou-o também pela Amizade que - felizmente -, me liga a vários Padres - e portanto, gostaria de os ver Felizes e mais "soltos", nas opções que pudessem livremente escolher.

Continue-se o debate!
Amigos Padres, "saiam do armário"!

Um abraço para Tod@s

Moçambicano

Anónimo disse...

Olá
Canela
"Não me agrada vidas duplas, são decadentes e entram sem sintonia com uma sociedade parca de valores morais, onde tudo é normal e demasiado promiscuo!"

A mim também não me agradam vidas duplas, é demasiada promiscuidade.
Diga-se de passagem que hoje em dia é o que mais se verifica à nossa volta e nós nem nos apercebemos.

O facto de o padre se apaixonar, u alguém se apaixonar pelo padre não tem nada de promiscuo, na minha opinião a promiscuidade nasce quando as pessoas envolvidas não têm a coragem para enfrentar a situação, esmiuçar a questão como adultos responsáveis.
Pecado não é cair em tentação, pecado é permanecer na tentação.
Claro que esta é apenas a minha opinião.
A sociedade que nos envolve jé é demasiado fútil.
Paula

Canela disse...

Cara Paula;

Talvez eu não me tenha explicado bem, ou então me tenha lido na diagonal.

Mas o que se sente, só por si não é promiscuo nem decadente. Mas olhando para alguns relatos aqui... falam em vidas duplas e isso sim é promiscuo.

Como alguns comentários aqui referem, tentações todos têm seja qual for a vocação. Quem não ouviu já a "canção do bandido"? Seja casado, comprometido ou consagrado?

Uma coisa é a tentação, outra é consentir nela! São duas coisas bem distintas, e a tentação é superada com base na oração, seja qual for a condição de cada um...

E aqui é um prato sem espinhas!
A chave é a oração! - Vigiai e orai!

A Paz de Cristo

Anónimo disse...

Oh Canela
Claro que percebi bem o que disse.
Eu é que não me expliquei bem.
Concordo em pleno com tudo o que disse.
Aliás acho que a "Canela" pelo que me é dado entender é uma pessoa deveras extraordinária.
Peço desculpa pela falta de clareza das minhas palavras.
Paula

Anónimo disse...

Meus Caros,

Com o devido respeito por todos, esta conversa é de loucos... Porquê tanto alarido à volta dos Padres! Sou casado e pai de filhos e se quiser ser fiel, há cuidados mínimos que tenho de manter com o trato com outras mulheres. Por exemplo: (i) não ter confidentes femininas que já sabemos que dá asneira; (ii) evitar a solidão com o sexo oposto; (iii) não me deixar trair pelo indomável "dever de protecção" que costuma estar associado a tantos dispsrates; (iv) saber, com delicadeza, por as pessoas nos seus lugares, etc.

E - em primeiro e sempre - cuidar muito a relação com a minha mulher para manter a frescura da primeira hora.

Todos os que nos casámos, sabiamos perfeitamente que aquela que amamos tem defeitos, que com o tempo eles se agravam, que encontariamos ao longo da vida outras mulheres mais belas, melhores com as quais poderíamos ter casado... Mas escolhemos, isto é: entregámo-nos e já não nos pertencemos... e a FIDELIDADE NO TEMPO É O NOME DO AMOR!

Quando se tem uma posição relevante e de idoneidade moral numa organização (como professor, por exemplo)são típicas as paixões, especialemnte femininas... tudo isto se sabe.

Por isso, meus amigos, deixem-se de tretas: o celibato por amor do Reino dos Ceús é um compromisso como qualquer outro. O padre que quiser ser fiel aprenda com os casados que lutam pela fidelidade e vice-versa...

Ah, e "quem não quer ser lobo não lhe veste a pele"!

Já repararam que metade dos vossos comentários são os mesmos que justificariam o adultério, o divórcio, o escolher a secretária em vez da mulher, etc.

Ganhem juízo!

Canela disse...

Rectificação do meu comentário de
02 Junho, 2010 01:07

onde se lê: "entram sem sintonia com uma sociedade parca"

deve lêr-sr: "entram em sintonia com uma sociedade parca"

Desculpem!

Anónimo disse...

Boa tarde!

Não gostei muito dos ultimos comentarios, penso que estavam a denegrir/ridicularizar um sentimento que se chama amor.
Alguem dizia que a chave era a oração. Talvez tenha razão/ou não...
Durante este mês de maio na nossa paroquia, pediram-me para uma vez por semana rezar o terço, aceitei como é normal em mim.Mas quis rezar um terço diferente, o terço sacerdotal. Afinal estamos quase a terminar o Ano Sacerdotal. E todas as vezes que rezavamos pediamos a Santificação dos sacerdotes, em especial o da nossa paroquia.
Não foi por falta de oração que surgiu este sentimento. Antes pelo contrario, cada vez que rezava pensava nele.
Mas mesmo assim, penso que nós mulheres não sofremos tanto como vocês padres.Na nossa vida existe sempre um braço amigo para poder desabafar, alguem que nos dê um conselho, alguem que nos ajude. Na vossa, simplesmente tendes medo até de ter um gesto de carinho com alguem, quanto mais dizer a um amigo que estais atraido/apaixonado por uma mulher. Para nós é facil deixar de ir á missa, deixar de frequentar aquele sito que ele frequenta,evitar cruzarmo-nos. Duvido muito que cada vez que um de vocês se apaixona, vai pedir ao bispo para o mudar de paroquia.
Que Deus me predou e este sentimento.

Manuela

Anónimo disse...

Olá conf.

Lembrei-me de uma coisita. Na entrevista que deste ao jornal comentas-te que tinhas pedido autorização ao teu bispo para fazeres o blog, aproveita e diz-lhe para ler este post. Seria interessante ler a opinião dele. Possivelmente vai dizer que a rotatividade dos padres nas paroquias é cada vez maior para evitar esse tipo de paixonetas. Seria interessante ...
Que não se lembre de tirar o meu Né lá da terra. Deixo de ir á missa...

Um abrajinho!
Alexandra

Confessionário disse...

Olá, Alexandra.
Era preciso que o teu Né fosse da minha diocese. O meu bispo pode nao ternada a ver com o teu Né.

Ontem li com atenção todos os coments, e agora me recordo que houve alguém que me chamou de velhote! Foi a Alexandra. Chiça... que idade me estarás a dar tu?! Eu sei que isto nao tem nada a ver. Mas... heheheh

Fá disse...

O título do post recupera de imediato a ideia de que a mulher é origem do pecado… Simbolicamente, ela aparece na Bíblia representada pela mais horrível das criaturas: a víbora. É desagradável esta imagem e queria muito poder apagá-la. Mas cada pessoa é um mundo extremamente complexo. É certo que todo o padre é um homem mas não pode ser um homem qualquer. Quando me aproximo de um sacerdote tenho de ter a certeza que a leitura das minhas palavras é feita sem quaisquer tipos de ambiguidades. O celibato -quando assumido livremente e conseguido sem traumas nem desequilíbrios emocionais- é, teoricamente, a situação de excelência para o exercício do sacerdócio. Sê-lo-ia também para todas aquelas missões que exigem muita dádiva e dedicação. Mas sabemo-lo impraticável na esmagadora maioria das situações. Porque não acabar de vez com este role de mentiras e hipocrisias que a ninguém servem, tornando-o opcional? Todos ganhariamos em dignidade, em respeito e em verdade. Enquanto a mudança não acontecer assistiremos a uma sangria dos sacerdotes que não conseguem viver plenamente a sua afectividade e, por coerência, saem e a existência de outros com a infelicidade estampada no rosto e/ou com vidas confusas. A fidelidade, como aqui já se disse, não pode ser exclusiva dos padres. Tem que estar presente na vida de cada um de nós. Caso contrário nem haverá espaço para a AMIZADE. Surgirá, inevitavelmente, a desconfiança e com ela desentendimentos de toda a espécie e a malfadada solidão…

Rezo por vós!
Um bjinho fraterno

Teodora disse...

Caro anónimo das 11:54

Permita-me que da cadeira da última fila da sala de aula lhe dirija a palavra para fazer um reparo, o celibato por amor do Reino dos Ceús não é um compromisso como qualquer outro.

Concordo na íntegra com o que afirma nos 4 primeiros parágrafos e o último. No entanto, posso dizer que sempre trabalhei com homens, desde muito nova e nunca fui rapariga para me perder, not even in my wildest dreams. Não tenho tantos cuidados porque sinto-me segura quanto a essas matérias. Quem não deve não teme.

Quanto ao restante, fez um paralelismo entre vida de casado e de padre/solteiro. Aqui não há nada em comum. Os primeiros são casados e os segundos são solteiros. Uns têm companheira outros não.

Não podemos comparar situações tão opostas.

Prometo ter juízo.

Padre quer namorar comigo? consigo até caso! de vestido branco e até ponho uns folhos. pequeninos assim... no decote!

Anónimo disse...

Meu querido conf.

Segunto a jornalita da tua entrevista tens +- 38 anitos.Pelas palavras escritas á algum tempo atráz numa troca de comentarios ainda és novito. Chamar-te velhote é a minha maneira carinhosa de te tratar,apesar de ás vezes o teu portugês parecer de um teologo de 100 anos.Gostava de te perguntar o que tu pensavas dessas mesmas perguntas. Afinal de contas tu és um padre... Mas se calhar é melhor não responderes, pode dar interpretações erradas...

Alexandra

Luísa disse...

Ora, cá está um tema que traz muitos penitentes ao confessionário!
Temos testemunhos de mulheres que se apaixonaram por padres. E o confessionário, já alguma vez se apaixonou por mulheres? Não quer partilhar connosco?
Sem que o seu bispo saiba, claro.

Anónimo disse...

olá a todos, já há dias que acompanho esta "discussão", e pensei se comentava ou não, mas hoje decidi-me, pois poucas vezes o tenho feito. Sou Padre há meia dúzia de anos e o que vou dizer não é para afrontar ninguém pois respeito a opinião de cada qual. Entrei no seminário aos 10 anos e aos 24 fui ordenado. O dia da minha Ordenação foi o mais feliza da minha vida estando de olhos abertos ou não. Hoje sinto-me um inútil a quem ninguém valoriza a entrega. Continuo a acreditar naquilo que acreditei, porém penso que a maioria dos cristãos não dá valor. Já me apaixonei e tenho consciência que foi a fase da minha vida em que fui melhor padre, afinal o amor não é pecado. Alguém falava em oração, mas afinal como sentir o amor de Deus se não sentimos o de aqueles que estão à nossa volta, e assim muitas vezes as nossa oração torna-se apenas numas "rezas" ocas de sentimento e que não nos fazem sentir melhor. Será que me iludi? Talvez não. Ainda hoje acho que o sacerdócio é sublime, mas é tão difícil estar só. Alguns dizem que já sabiamos que iamos ficar sós, e sabiamos, só que não sentiamos o que seria o peso de tanta indiferença. Penso que as mulheres que verdadeiramente se apaixonam por padres (porque também existem as que só querem gozo) é porque normalmente nós somos mais atenciosos para com estas, num mundo em que cada vez mais os homens (nem todos) só pensam nelas como algo descartável.
Cumprimentos a todos.

Confessionário disse...

Alexandra
Um teólogo de 100 anos? Conservador? Sábio? qual delas?

(...)

Anónimo disse...

padre das 22:49

Se lhe servir de algum consolo, digo-lhe que há já vários anos uns 140 000 professores sentem-se inúteis num esquisso de país governado por um bando de burgueses loucos e um povo orgulhosamente ignorante e estupidamente feliz.

Anónimo disse...

Canela, filha, vai por mim: a Igreja é um sitio bom para se estar mas umas beijocas não fazem mal a ninguém. Sem ofensa. Rapariga, tens que viver um bocadinho mais. vais ver que ficas muito mais contente e não é por isso que não chegas a santa se lá tiveres que chegar.
Lá dizia a minha avó...o desejo e o prazer foram feitos por quem? Ora por ele mesmo. por Deus!
F.

Teodora disse...

Ó pe. do dia 02 das 22:49

Acredito que algumas mulheres se apaixonem pelo padre porque ele lhe dá mais atenção, mas não será só por isso.

Alguém que se apaixona por outro só porque esse lhe dá mais atenção, muito provavelmente não se apaixonou, apenas está carente, e como não conseguiu perceber ou foi egoista e/ou desonesto diz que se apaixonou. Se assim for estamos perante uma situação de algum risco. Na primeira distração pulará fora.

Eu não sei como é que vocês "são formatados" no seminário, mas padre é homem, tem rosto, tem alma, tem odor, tem o seu jeito de de andar, de falar, de reagir, de vestir, de pegar no cigarro.... É pessoa e as mulheres reparam e não querem saber se é padre. Dentro da igreja podem não comentar, mas cá fora toda a gente manda a sua boquita acerca do padre: O tipo é muito jeitoso!

Aqui na paróquia desde que chegou o último padre, ainda novo, o mulherio vai todo à missa, não falta gente para ler, cantar etc. é vê-las a rodopiar em volta do senhor padre. Nem interessa a idade e estado civil. Há quem começasse a pintar a unha de vermelho e madeixas no cabelo, mesmo que nada disto encaixe na figura.

As pessoas fingem que estão perante uma coisa intocável. Todos dizem mas pensas que os padres são celibatários? Mesmo não conhecendo ou sabendo de algo todos acham que o padre tem sempre alguém.

E volto a dizer amaioria das mulheres que são a favor do celibato, defendem este ponto de vista porque têm paixões secretas pelo padre e enquanto ele for obrigado ao celibato ele não é delas mas nunca será visto com outra. Não são confrontadas com a verdade.

Vocês não são os second best. São exactamente como os outros.

Teodora disse...

Tarde quente, a minha playlist comigo e, após uma longa caminhada, sentei-me no chão num canto da minha igreja a ouvir música. Há muitas igrejas bonitas, mas a minha é a minha.

Comecei com o Requiem de Mozart e a coisa avançou. Não digo evolui, porque Mozart não era inferior. Os outros, quase todos terão também formação clássica de base. Nota-se. A formação clássica dá uma boa base na dança, na música ou literatura.

Gostei particularmente de Roxanne de Tom Waits.

pe.

Deus está em todas a coisas e em todos os lugares, não é?

Teodora disse...

Entretanto, saí. Começou a saloiice. Começaram a chegar os modelitos, começaram as manobras preparatórias para a palhaçada, protocolo de recepção a gente muito importante e de idoinedade moral superior.

Era a missa, senhores era a missa.

Hoje o padre vai ser acolitado por membros das listas do PS local digo da comissão fabriqueira digo por membros das listas PS digo...

Um bando de pinguins mal vestidos! Saloios!

Anónimo disse...

o islão:


Priest latest victim in Christian killings

A Roman Catholic bishop has been stabbed to death in southern Turkey. The incident marked the latest in a string of attacks on Christians since the Justice and Development Party (Adalet ve Kalkinma, AKP) gained control of the government in 2002.

The AKP was formed and remains under the control of Fethullah Gulen, who has been called “the most dangerous Islamist on planet earth.”

Gulen, who has amassed more than $25 billion in financial assets, resides within a 45 acre fortress in Saylorsburg, Pennsylvania.

Bishop Luigi Padovese, the pope’s apostolic vicar in Anatolia, was attacked in his home in the Mediterranean port of Iskenderun.

The suspected assassin is the bishop’s Muslim driver who had worked for him for the past four-and-a-half years.

NTV television said the priest had died in a hospital.

There was no immediate word from the Vatican.

Other attacks on Catholic clerics in Turkey have captured international headlines.killing is the latest in a string of attacks in recent years on Christians in Turkey, where Christians make up less than 1 percent of the 70 million population.

In February 2006, an Italian Catholic priest was shot to death in his church in Trabzon by a youth who was angered over the caricatures of the Muslim prophet in Danish newspapers.

In December 2007, a 19 year-old stabbed a Catholic priest outside a church in Izmir. According to newspaper reports, the Muslim assailant, who had been arrested, admitted that he had been influenced by a recent television program that depicted Christian missionaries as infiltrators who take advantage of Islamic people.

The same year, a group of men entered a Bible-publishing house in the central Anatolian city of Malatya and killed three Christians, including a German national.

The five alleged killers are now standing trial for murder.

The killings — in which the victims were tied up and had their throats slit — drew international condemnation and added to Western concerns about whether Turkey can protect its religious minorities.

Roman Catholics also have had their property confiscated by the government. Many of the churches have been transformed into mosques.

Christians in Turkey now constitute less than one half of one percent of the country’s population. 99% of the population are now Muslim – - 75% Sunni and 24% Shiite.

Less than a century ago, Christians dominated the intellectual and commercial life of the Levant, comprising more than a fifth of the population.

Under the AKP, Turkey has transformed from a secular state into an Islamic country with 85,000 active mosques – - one for every 350- citizens – - the highest number per capita in the world, 90,000 imams, more imams than teachers and physicians – - and thousands of state-run Islamic schools.

Abdullah Gul, Turkey’s first Islamist President, is a Gulen disciple along with Prime Minister Recep Tayyip Erdogan, and Yusuf Ziya Ozcan, the head of Turkey’s Council of Higher Education.

Despite the rhetoric of European Union accession, Turkey has transferred its alliance from Europe and the United States to Russia and Iran. It has moved toward friendship with Hamas, Hezbollah, and Syria and created a pervasive anti-Christian, anti-Jewish, and anti-America animus throughout the populace.

Canela disse...

Ao ou Á F de 03 Junho, 2010 01:10;

A Canela é muito bem resolvida, entenda-se muito bem casada! Sim, dou beijocas... mas ao meu marido. Não ando aos beijos aos namorados, maridos e afins das outras... nunca andei!

As beijocas fazem mal, fazem... se não se respeitar a condição de cada um.

Permita-me que lhe pergunte, se por acaso é a favor do assédio sexual nas empresas, nas escolas e etc?

É porque essas mentes perversas, também o fazem pelo chamado "desejo"... sabe, não somos própriamente animais irracionais, que se movem apenas por instintos!

A santidade só se alcança pela vontade e graça de DEUS! Vivo a vida de forma feliz, de bem comigo, com os outros e com DEUS!

Não tenha pena de mim!

A Paz de Cristo

Anónimo disse...

Olá Conf.

Talvez as duas coisas.
Mas ,sábio sem sombra de duvidas.
Não te vejo como um conservador. Se fosse assim nem sequer pensavas no teor deste post, quanto mais escreve-lo.
A tua sabedoria, e a tua mente aberta faz com que exita prazer em ler e escrever os comentarios.
Na tua Homilia ninguem deve dormir, apesar de gostares de dar sempre um segundo sentido ás frases.
Desculpa, mas vou-te dizer uma coisa:Sabes, acho um pouco dificil nunca ninguem se ter apaixonado por ti. Porque tu cativas,nas palavras, nos pensamentos que têns. Imagino o que é nos actos, nas acções, no teu dia a dia. Tambem, e mais uma vez desculpa, acho dificil tu nunca te teres sentido atraio por uma mulher. Possivelmente ai entra aquela faceta do Conservador....



Alexandra

Confessionário disse...

Alexandra...
e achas que devo dizer que sim ou que não? Eu penso que ninguém está imune à vida, à felicidade, ao amor! heheheh

Anónimo disse...

Oláaaaa!
toda a gente gosta do que é proibido, eu adoro entrar em portas que dizem - área restrita - ahahaha pela aventura do que se vai encontrar e só por saber que é proibido, sobem os níveis de adrenalina, isso é fantástico! Imagino que com as mulheres que se apaixonam pelos padres e pelos padres que se apaixonam pelas mulheres é a mesma coisa...
Nunca me apaixonei por nenhum padre, mas podia acontecer, até me podia apaixonar por ti... (brincadeirinha!!!)

mariana

Anónimo disse...

Devem existir mulheres muito carentes e o padre é uma pessoa muito disponivel para dar atenção e carinho a quem precisa e, daí nascer esse tipo de paixão.
No entanto, não se iludam, os padres são homens iguais a todos os outros e as desilusões são as mesmas. Usam, gozam e deitam fora.

Anónimo disse...

Conf.

A resposta só tu é que podes dar. O condimento da nossa vida é a felecidade.
Li num comentario de um padre, que os melhores anos da sua vida como sacerdote foi quando esteve apaixonado.Não notei nenhum arrependimento no comentario.
Eu sei que para vocês é muito complicado reconhecer que gostam de alguem, gostar ou simplesmente sentirem-se atraidos por alguem. Mexe com a vossa maneira de ser.
È ridiculo, mas é verdade: vocês quando gostam de alguem estão a trair Deus.
E isso faz com que a maior parte de vocês não demonstrem os seus sentimentos. Podem ser muito fixes no convivio com as pessoas, mas depois quando alguem se aproxima, vocês fogem. Porque a melhor maneira é fugir. Assim ficam enumes a qualquer tipo de sentimento. Se isso é bom, não sei.Na nossa vida existem momentos para tudo, para amar e para chorar. Basta termos a consciência tranquila.
Lembras-te que Jesus durante toda a sua vida foi acompanhado por mulheres. Deixa-me falar-te de uma: Maria Madalena

Alexandra

Teodora disse...

Jesus era um tipo com muito bom gosto!

Teodora disse...

a clandestinidade talvez torne tudo mais intenso, porque as dificuldades são maiores, mas não retira nada à verdadeira razão pela qual as pessoas desejam estar juntas.

quem se aproxima de outro pela adrenalina, não está apaixonado. quer é dar umas quecas. isso é de pessoa leviana - nada tenho contra, desde que os envolvidos saibam ao que vão e tenham idade para saber o que fazem.

Teodora disse...

sabe pe.

eu acho que no fundo a maior parte das mulheres gostava de ter um tony carreira - o resto desejava um trolha.

ora bem... repare no bando de mulheres que correm atrás do tony carreira! cantam, choram, adoram o homem, porque ele diz-lhes aquilo que o maridos delas não lhes dizem. também há homens por lá, mas esses não contam, embora joguem no mesmo campeonato!

Ora experimente dizer isto no ambão e verá o resultado:

Tu estás em mim
Vá onde for
Ande por onde andar
Faça o que faça
Eu faço a sonhar
Contigo a todo o momento
Se olho pró céu
São os teus olhos que vejo no azul
Se olho o luar, no seu brilho estás tu
Estás em qualquer movimento
Passo a vida a sonhar contigo
Passo a vida a pensar em ti
Eu em tudo o que faço ou digo
Que sonho ou que vivo
Tu estás sempre em mim
Passo a vida a sonhar contigo
Passo a vida a sentir-te aqui
Pois em tudo o que faço ou digo
Que sonho ou que vivo, há sinais de ti
De ti
Não sais de mim
Do pensamento e do meu coração
Eu já não sei
Se és real ou ilusão
Se estou são ou estou demente



os senores padres falam de anjos, arcanjos e outros seres celestiais com um sereno e nós começamos a carborar!

Anónimo disse...

Teodora...então? - citando-te "quem se aproxima de outro pela adrenalina, não está apaixonado. quer é dar umas quecas. isso é de pessoa leviana"
para isso também é preciso adrenalina, mas que será do amor sem adrenalina?

mariana

Teodora disse...

olá mariana

pois... certamente... eu refiro-me se estivermos no trilho da moral e dos bons costumes.

é obvio que quem quiser manter-se em forma, arranja um rapaz mais novito qualquer coisa, pois aí o ritmo é outro e ainda não há bicos de papagaio nem o miolo está muito desarranjado - o ginásio está caro há que cuidar da boa forma fisíca.

Anónimo disse...

é assim em todos os países islâmicos, é assim que têm passado de países cristãos a islâmicos:


Mgr Luigi Padovese Assassinated in Southern Turkey

An aide stabbed the prelate to death. A pastor closely involved in ecumenical work and in the dialogue with Islam, he was getting ready to travel to Cyprus to meet the Pope. After Fr Andrea Santoro was killed, he spoke about the slain priest. The director of the Holy See Press Office comments the event.

http://www.asianews.it/news-en/Mgr-Luigi-Padovese-assassinated-in-southern-Turkey-18583.html

Anónimo disse...

Este post melhor fora, melhor não ter lugar. Está deslocado. Faz lembrar aqueles devaneios de adolescentes...aqueles joguinhos de prendas só para se dar beijinhos... Tudo bem. Mas no Confessionário dum Padre...a que propósito? não devia acontecer.

DairHilail disse...

voltei...
e...os padres não podem amar? que tristeza...

Anónimo disse...

Bom dia Conf.ou talvez boa noite!

Esta noite aprendi/refleti a diferença entre alegria e felecidade. Poderei comparar estas duas palavras com outras duas: paixão/amor.
Tudo tem a ver com o tempo.
A alegria pode durar apenas umas horas, a paixão um punhado de dias.A felecidade dura umas semanas o amor pode durar para toda a vida.
Assim como a paixão por um padre pode durar uns momentos, mas o amor por um padre pode durar uns anos.
Acho que a maior parte das pessoas gostam do padre e não do homem.Já não é uma questão de farda, mas sim de serenidade quando estão nesse papel.
Sinceramente eu muitas vezes fico longos minutos a olhar para o Né quando ele está no altar, admiro-o,não perco uma palavra do que ele diz, um gesto, um sorriso. Mas depois cá fora é um "miudo" igual a tantos outros...
É tão facil dizer que estamos apaixonados... depois a realidade é outra...

Bom fim de semana!
Alexandra

Teodora disse...

olá Alexandra

O seu comentário faz-me crer que julga o padre um actor.

De certo modo todos nós somos actores quando exercemos determinadas profissões, mas se não formos coerentes, vivermos o que dizemos, acreditarmos no que transmitimos, sentirmos o que defendemos... somos uma fraude - logo há ilusão.

Haverá padres actores, mas acredito que também haja padres verdadeiros. E esses sim, fazem a diferença, são interessantes, estimulam a alma e quem sabe o corpo.

Os padres actores podiam estar a vender gelados ou bicha junto à praia, ou outra coisa qualquer. São padres porque calhou. Se calhar o sonho da mãe era esse e eles quando deram conta já era tarde e agora há que carregar a cruz.

Podem enganar alguns mas não enganam todos. Ou melhor... se calhar nem enganar querem ... só não sabem ser outra coisa porque Deus não os providenciou com mais, ou quem os formou não os fez crescre, ou porque a sua origem não lhes abriu os horizontes.

E depois as pessoas gostam por razões diferentes. O que eu valorizo no outro não tem necessariamente que ser igual a si, se me permite.

débora disse...

Este post e os comentários consequentes fazem-me lembrar a piadinha da praxe: "homens para aqui; mulheres para ali!" "então e o padre?".

Estamos a falar de seres humanos, certo? Ou é uma qualquer raça rara e de hábitos desconhecidos?

Não consigo ver "padres" dentro de homens, ou "homens" dentro de padres. São gente. Pelo menos os que conheço...
Vestem jeans; fato e gravata ou, mais raramente, cabeção. Uns usam óculos, outros tocam guitarra. Alguns usam óculos e tocam guitarra. =D Todos se riem; todos abraçam; todos se irritam. Todos têm virtudes e defeitos. Pelo menos os que conheço...

É claro que são pessoas com muita visibilidade. Conhecem muita gente. Pode acontecer que escolham outra forma de vida. Mas também pode não acontecer. E então?

Desculpem lá a "rudeza". É que as coisas devem ser olhadas tendo em conta o caso concreto.. E, na minha opinião, há assuntos que, a menos que me digam directamente respeito, não são da minha conta... Por isso não entendo o porquê de tanto alarido à volta "dos padres": ninguém levanta polémica quando alguém entra com um processo de divórcio, por exemplo; mas, quando se trata da vida de um "padre", então até para novela da TVI serve...

Esclareça-me lá, Confessionário: é gente? existe como eu e os outros comentadores? tropeça na rua? almoça? ou é uma espécie qualquer de ET com um sistema emocional bi-facetado?

Anónimo disse...

As mulheres "apaixonam-se" por padres porque julgam que eles são perfeitos. Mas uma coisa é o que se prega e outra é o que se faz. A realidade está longe daquilo que se se imagina. Se os padres pudessem casar-se havia muitas desilusões de uma e de outra parte. Viver a dois 356 dias por ano é muito difícil.

Anónimo disse...

Ao domingo gosto de ir à celebração da Eucaristia. Prefiro que o celebrante seja uma pessoa culta e inteligente e por isso escolho. Vivo numa cidade grande e posso dar-me a esse "luxo". Mas tenham calma isso não significa mais do que gostar do modo como um determinado padre celebra.

Daqui a pouco obrigam os seminaristas a serem feios e imbecis. Já não nos faltava mais nada! Há muitas pesoas pequeninas. Caramba!

D. R. disse...

Alexandra, não concordo com a afirmação "vocês quando gostam de alguem estão a trair Deus."

Acho que um padre, mais que qualquer outra pessoa, sabe que Ele tem um motivo para tudo. Os padres não se sentem atraídos por alguém porque Deus naquele momento fechou os olhos. Ele tudo vê. E tudo tem a sua explicação.
Cabe a cada um chegar a ela.

concha disse...

Sem dúvida um tema que revela coragem, quando disponibilizado para que se façam comentários.
Em primeiro lugar, um padre é um homem.Depois porque chamado e eu acredito que se algumas vezes foi decisão familiar a maior parte delas terá sido mesmo chamamento, dispõe do discernimento necessário para se aperceber no ínicio se quer ou não infringir um compromisso assumido na sua ordenação.Hoje vemos padres que com carreiras profissionais que se previa serem brilhantes, deixam tudo para ingressarem no seminário.
É claro que quer numa situação, quer noutra se podem apaixonar por alguém e até serem correspondidos.
Como em qualquer situação da vida de cada um de nós, terão de tomar uma decisão em relação ao que querem para a sua vida ou antes o que lhes fala mais alto.Se for só paixão,durará pouco e não alimentada ainda menos.Quando se trata de amor,é evidente que se Deus é amor quem são os homens para impedir que se ame alguém com tudo o que o amor tem de sincero,puro e bom.Amar não é querer ir para a cama com alguém(que me desculpem a expressão mais crua)é bem mais do que isso, é querer o bem do outro, é ser capaz de sacrificar a própria vida pelo outro.Que bonito, dirão alguns.E é mesmo,porque nos faz felizes.É evidente que sou a favor do casamento dos padres,até porque poderiam ser excelentes exemplos do que na realidade deverá ser a vida familiar.
Abraço na Paz
Concha

Anónimo disse...

Olá Conf.

Por mais que nós debatemos este assunto, continuo a pensar que o padre é uma pessoa muito especial. não se compara com um professor, com um medico,etc.
O sacerdote, veste o traje branco que simboliza a pureza, todos os dias toca no Corpo Santissimo de Jesus. Por isso ele é um homem muito diferente. Ok! Ele toca viola, canta,dança, veste calças de ganga, óculos, (o meu Né até salienta os seu caracois com gel), comem, dorme...
Meus amigos o sacerdote não é um homem qualquer. E quando eu utilizo a palavra traição, é porque a unica pessoa que ele pode estar a trair é o nosso Deus.
Termino no uma oração que eu encontrei, seria interresante reza-la:

"""" Senhor Jesus: único e eterno Bom Pastor,
neste Ano sacerdotal, queremos pedir-Te com fé e confiança,
por todos os sacerdotes que exerceram o seu Ministério em favor da nossa Comunidade.
Àqueles que já partiram para junto de Ti
concede-lhes o descanso nos prados verdejantes da Tua paz,
para que habitem junto de Ti ;
e aos que ainda caminham connosco,
guia-os pelos vales e sendas que só a Ti nos levam,
apesar dos medos e inseguranças do nosso tempo.
Bom Pastor, que deste a vida pelas tuas ovelhas,
sustenta os nossos padres com a força do Teu báculo,
enche-lhes a taça da alegria pelo serviço aos outros
e sustenta o seu trabalho no anúncio e edificação do teu Reino.
Tu que vives e Reinas com o Pai e o Espírito Santo pelos séculos sem fim. Amen"""

Um beijinho, conf.

Alexandra

Teodora disse...

Eu uma perda de tempo, um disparate, uma lerdice, quando na missa pedem para rezar pelo celibato dos padres. Faço questão de observar o tecto da igreja de canto a canto! e de braços cruzados! confiro as chamadas no meu telemóvel e o que mais houver para fazer.

Com tanta miséria no mundo andamos nós a gastar as nossas energias a rezar pelas taradices que os chefes da Igreja arranjaram para controlar ao limite os padres e de um grupo de gente só que quer o padre para eles/elas a tempo inteiro, ou melhor quando lhes dá jeito.

Anónimo disse...

Deus escolhe aqueles que Ama, e penso que o Padre é o proprio Cristo, que Maria Madalena se apaixonou e viveu junto a Ele, e esse Cristo também nos quer dar afecto carinho;é interessante que sempre que é o afecto de Deus, é enviada uma nuvem que cobre, porque é a benção.Sim temos é que saber entender, e não ir para a parte carnal, pecaminosa, mas sim para o carinho afecto que vem do Padre como o proprio Jesus Cristo, e por vezes saber tirar partido na positiva, porque o Amor faz parte do ser humano, e é saudavel.Os Padres precisam de carinho e afecto, mas tb têm que saber resistir ao lado do pecado sexual.Jesus é AMOR...

Anónimo disse...

O padre da minha paróquia leva o tempo em festas, convívios, reuniões que depois terminam em bebedeiras.
Mas que padres temos nós nas nossas paróquias.

Anónimo disse...

Olá confissionário!Que questão pertiente?
Eu sei que existem padres que levam o tempo acompanhados de mulheres! Ele é na paróquia, em casa, em passeios, em ......Porque será?
E depois toda a minha gente vê e fala!Sentem-se atraídos e depois surge o pecado!
E nós os cristãos vamos confessar?
Cada vês entendo menos!

Anónimo disse...

Apaixoná-mo-nos, amá-mo-nos!
foram anos!Deois usou da traição e abandonou-me.
Continua na minha paróquia!

Anónimo disse...

Anónimo das 22:54

Desconfia mais dos que andam atrás dos homens! Palavra! E, por favor, não os tranques porque eles são criaturas de Cristo e a Declaração dos Direitos Humanos tb se lhes aplica.

Queria tanto ser o comentário 90... consegui? Isto ainda vai à casa dos 100...

Anónimo disse...

Olá Amigos. Gostava que nesta questão, todos pensem um pouco e façam uma reflexão sobre Igreja.Somos todos Igreja, e quem tem Fé em Jesus Cristo tem que pensar de outra maneira, vários comentários que fui lendo neste titulo " As mulheres que se apaixonam pelos padres", vi que muitos de vós criticam os Padres, mas vós já fizes-te um exame a vós proprios?Quem sou?quem não tiver pecados que atire a primeira pedra, disse Jesus e ninguém foi capaz, porque todos, sim todos somos pecadores, ninguém é perfeito, agora criticar o outro, é facil, mas ver o nosso proprio defeito, até quieto. Sejam mais AMOR e CARINHO, e em vez de criticar, ajudem á perfeição e aceitem-se uns aos outros. Como o CRISTÂO está tão longe de Jesus Cristo, e depois é só "deita abaixo", leiam mais livros de Santos "Santo Cura D'Ars, Santo Agostinho, e tantos outros...", e aperfeiçoem mais a vossa Fé no proprio Jesus Cristo e sejam mais amigos dos vossos Sacerdotes.Não critiquem ajudem: " Um dia, um Jovem perguntou a Deus:
- Senhor, há tanta guerra, fome, injustiças... e Tu não fazes nada?
- Fiz-te a ti! "
Dá-nos,
depois de tantas palavras
o dom do silêncio
que purifica e recria.
Sejam mais misericordiosos...

Anónimo disse...

As mulheres que se envolvem com padres, se apaixonam pelo HOMEM e não pelo padre. Um padre proporciona MUITOS problemas para uma mulher:não se pode apresentá-lo à família e nem ser apresentada à família dele; não se pode namorar em público; ela recebe tão somente as 'migalhas' da atenção dele, quando ele já está morto de cansaço de atender todo mundo... menos a ela; ele pode ser transferido a qualquer momento;
não terão o apoio de ninguém, os amigos desaparecem; ela passa por 'tentadora' e pecadora, enquanto que ele é visto como 'homem de Deus', que está sendo tentado por uma 'mulher à toa'. Depois de juntos, serão afastados da Igreja, vistos como 'desertor' e 'traidora'. E, após anos de um relacionamento de pura paciência, total persistência e prova de amor a todo instante, ainda escutará insanos afirmarem:
'você é o próprio demônio';
'irá queimar no inferno';
'você vive em pecado';
'ele ainda vai voltar para a Igreja';
'foi você que tirou o nosso padre'.
A RESPONSABILIDADE É DE AMBOS, não só da mulher, como induz o título. Celibato é uma regra absurda, pois o padre não deixaria de exercer com ardor as atividades do sacerdócio, pelo fato de ter uma mulher às claras, ao invés de ter uma às escondidas, como a imensa maioria deles possui. Se assim fosse, ninguém nas demais profissões poderia se casar, com a desculpa de ter que ser um bom profissional.
As mulheres 'que conseguem' se casar com padres (inclusive eu!) são felizes e realizadas no casamento, pois eles dão ótimos maridos, carinhosos, atenciosos, dedicados e religiosos!!! Para aquelas que nunca estiveram nessa situação, pensem 2 vezes antes de se aproximarem de um padre. A tua vida se tornará um verdadeiro caos por longos anos, antes de você ser feliz ao lado dele (SE conseguir). Mulheres, pensem muito bem... só assistam a missa e VÃO EMBORA, em busca de um homem com outra profissão!!! Padre é sinônimo de muita confusão na vida de uma mulher.
Abraço,
Ana

Teodora disse...

Olá Ana

Qual foi a atitude dos colegas padres?

Quantos anos teve de aguentar os despautérios?

E da Igreja houve alguma humanidade no trato?

Anónimo disse...

Sabem em que ano começou a "lei do Celibato"?
E a razão?
Pois....
Para não se "perderem" heranças familiares. Sim...
Pois, padres eram aqueles que pertenciam a familias nobres.
"É bom que o homem não esteja só"
Se não tem uma mulher, outra coisa terá ( Bens Materiais ou "gostos" que parecem estar na moda)
Srs. Padres façam o favor de sererm felizes, casem, partilhem uma vida, sintam afecto, carinho e tenham frutos de amor "filhos" e aí ficam a entender o que é o AMOR- DEUS.

Anónimo disse...

Concordo, Ana.
É mesmo uma confusão.

Anónimo disse...

Olá! Conf.

Isto não tem nada a ver com o post, ou até tem...
O meu Né tem o dom da palavra, e ontem na homilia pôs-me a pensar...
As leituras eram relacionadas com o perdão. O rei David, e a mulher pecadora.Todas elas falam no amor fora do casamento. O de David com a mulher do soldado, e o da mulher pecadora .
Falou, falou, falou.
Sabes dá gosto escutar.( ás vezes começo a pensar como são as tua homilias...esquece,já estou a delirar)
Continuando...
Num determinado momento falou no olhar das 3 personagens do Evagelho.
O olhar do Simão: um olhar zeloso da Lei que evitavam qualquer contacto com os pecadores
O olhar de jesus: um olhar que não condena nem marginaliza
O olhar da mulher: um olhar de gratidão,como consequência do perdão recebido.
Depois por longos momentos ficou a olhar para nós, e perguntou-nos que tipo de olhar estava-mos a ter.
Bem... sem sombra de duvida o meu era o da mulher pecadora.E sinceramente, não sei se foi de gratidão, se foi o de muito amar...
Ás vezes ele lembra-se de cada coisa.

Um abraço!
Alexandra

Anónimo disse...

Eu conheço um padre,de quem sou muito amiga e com quem trabalho há vários anos. O nosso relacionamento é muito especial, e a sintonia intelectual perfeita. Estimamo-nos e protegemo-nos mutuamente.
Mas o respeito e a admiração pelo trabalho e as opções de cada um é tal, que não nos aproximamos mais. Acho que é a maior prova de amor que podemos dar um ao outro.
É evidente que já não somos crianças, e temos a nosso favor a sabedoria da maturidade e da experiência.
Não é fácil, mas é muito bonito.

Anónimo disse...

Boa tarde. Sou jornalista e estou a fazer um trabalho sobre o celibato e a Igreja Católica. Gostava muito de falar com as mulheres que aqui contaram já ter tido relações com padres. Garanto, obviamente, anonimato total, por forma a não identificar nenhum dos intervenientes na história.
Deixo o meu contacto: isabellacerda@sabado.cofina.pt
E aguardo resposta.

Anónimo disse...

Eu sou apaixonada pelo padre da minha paróquia e ele por mim, mas garanto que nosso amor não é um amor carnal, amor de homem/mulher.
Acredito que existam vários tipos de amor, gosto de estar com ele, gosto do abraço dele e ele gosta do meu. Não vejo nenhum problema abraçar um padre e ser abraçada por ele, desde que haja respeito por ambas as partes e isso há entre nós.
Não nego que quando estamos juntos tenho vontade de abraçar ele e não largar mais, as vezes tenho medo de ter me apaixonado por ele como homem, mas quando o vejo de batina vejo que meu amor por ele não algo carnal, acho que Deus o colocou em minha vida para fazer minha fé em Deus aumentar muito, com esse padre vi o quanto sou abençoada.
Ele é um padre muito bonito, muito vaidoso, está sempre perfumado, gosto disso nele, contudo por mais que ache ele muito bonito nunca nos vi juntos de maneira carnal, sempre que penso nele penso nos abraços carinhosos dele, isso não nego, mas nada além disso.
Será que o que estamos fazendo é pecado? Abraçar-nos é um pecado? Eu não vejo assim.

Teodora disse...

ó anónima de 23 de agosto

ora aqui vai a crónica da maria!


"Não vejo nenhum problema abraçar um padre e ser abraçada por ele,..." então por que pergunta se existe pecado? se questiona é porque sabe que há algo que não bate muito certo.

"Não nego que quando estamos juntos tenho vontade de abraçar ele e não largar mais..." - juro que embora tenha uma boa relação de amizade com amigos e colegas homens não tenho vontade nenhuma de abraçá-los e nem me imagino nos barços deles.

"mas quando o vejo de batina vejo que meu amor por ele não algo carnal..." - será normal, só significa que tem respeito pelo que ele representa nessa condição.

"acho que Deus o colocou em minha vida para fazer minha fé em Deus aumentar muito, com esse padre vi o quanto sou abençoada."- julgo que a fé não depende dos meus sentimentos relativamente ao padre da nossa paróquia. ela existe por si.

"Ele é um padre muito bonito, muito vaidoso, está sempre perfumado, gosto disso nele,..." - desculpe a objectividade do meu comentário, mas já pensou se ele gosta mesmo é que o adorem? não terá um problema de ego?

"contudo por mais que ache ele muito bonito nunca nos vi juntos de maneira carnal,..." tem a certeza? é que não foi isto que disse antes! voilá!: sempre que penso nele penso nos abraços carinhosos dele, isso não nego, mas nada além disso."

"Será que o que estamos fazendo é pecado? Abraçar-nos é um pecado? Eu não vejo assim" - então porque pergunta.

já experimentou "meter férias" para "medir" reacções? como sabe que ele é apaixonado por si?

e por fim, certamente que em seu redor haverá outras criaturas algo interessantes e que revelem algum interesse por si. já lhe aconteceu de estar na conversa com um desses cristãos e pensar .... "nããããã não chegas lá... touta ver... eu até gostava...seria muito mais simples... podes ser bom rapaz mas não és como o meu padre! ele é muito melhor...

talvez seja um bom medidor. dor.

é que começou por dizer: "Eu sou apaixonada pelo padre da minha paróquia e ele por mim,..." - como sabe que ele é apaixonado por si?

Teodora disse...

ó anónima de 23 de agosto

ora aqui vai a crónica da maria!


"Não vejo nenhum problema abraçar um padre e ser abraçada por ele,..." então por que pergunta se existe pecado? se questiona é porque sabe que há algo que não bate muito certo.

"Não nego que quando estamos juntos tenho vontade de abraçar ele e não largar mais..." - juro que embora tenha uma boa relação de amizade com amigos e colegas homens não tenho vontade nenhuma de abraçá-los e nem me imagino nos barços deles.

"mas quando o vejo de batina vejo que meu amor por ele não algo carnal..." - será normal, só significa que tem respeito pelo que ele representa nessa condição.

"acho que Deus o colocou em minha vida para fazer minha fé em Deus aumentar muito, com esse padre vi o quanto sou abençoada."- julgo que a fé não depende dos meus sentimentos relativamente ao padre da nossa paróquia. ela existe por si.

"Ele é um padre muito bonito, muito vaidoso, está sempre perfumado, gosto disso nele,..." - desculpe a objectividade do meu comentário, mas já pensou se ele gosta mesmo é que o adorem? não terá um problema de ego?

"contudo por mais que ache ele muito bonito nunca nos vi juntos de maneira carnal,..." tem a certeza? é que não foi isto que disse antes! voilá!: sempre que penso nele penso nos abraços carinhosos dele, isso não nego, mas nada além disso."

"Será que o que estamos fazendo é pecado? Abraçar-nos é um pecado? Eu não vejo assim" - então porque pergunta.

já experimentou "meter férias" para "medir" reacções? como sabe que ele é apaixonado por si?

e por fim, certamente que em seu redor haverá outras criaturas algo interessantes e que revelem algum interesse por si. já lhe aconteceu de estar na conversa com um desses cristãos e pensar .... "nããããã não chegas lá... touta ver... eu até gostava...seria muito mais simples... podes ser bom rapaz mas não és como o meu padre! ele é muito melhor...

talvez seja um bom medidor. dor.

é que começou por dizer: "Eu sou apaixonada pelo padre da minha paróquia e ele por mim,..." - como sabe que ele é apaixonado por si?

Teodora disse...

ó anónima de 23 de agosto


"Não vejo nenhum problema abraçar um padre e ser abraçada por ele,..." então por que pergunta se existe pecado? se questiona é porque sabe que há algo que lhe escapa.

"Não nego que quando estamos juntos tenho vontade de abraçar ele e não largar mais..." - juro que embora tenha uma boa relação de amizade com amigos e colegas homens não tenho vontade nenhuma de abraçá-los e nem me imagino nos barços deles.

"mas quando o vejo de batina vejo que meu amor por ele não algo carnal..." - será normal, só significa que tem respeito pelo que ele representa nessa condição.

"acho que Deus o colocou em minha vida para fazer minha fé em Deus aumentar muito, com esse padre vi o quanto sou abençoada."- julgo que a fé não depende dos meus sentimentos relativamente ao padre da nossa paróquia. ela existe por si.

"Ele é um padre muito bonito, muito vaidoso, está sempre perfumado, gosto disso nele,..." - desculpe a objectividade do meu comentário, mas já pensou se ele gosta mesmo é que o adorem? não terá um problema de ego?

"contudo por mais que ache ele muito bonito nunca nos vi juntos de maneira carnal,..." tem a certeza, é que não foi isto que disse antes! voilá!: sempre que penso nele penso nos abraços carinhosos dele, isso não nego, mas nada além disso."

"Será que o que estamos fazendo é pecado? Abraçar-nos é um pecado? Eu não vejo assim" - será? então porque pergunta.

já experimentou meter férias para "medir" reacções? como sabe que ele é apaixonado por si?

e por fim, certamente que em seu redor haverá outras criaturas algo interessantes e que revelem algum interesse por si. já lhe aconteceu de estar na conversa com um desses cristãos e pensar .... "nããããã não chegas lá"... podes ser bom rapaz... tudo seria bem mais fácil... mas não és como o meu padre! ele é muito melhor.

talvez seja um bom autoteste!

é que começou por dizer: "Eu sou apaixonada pelo padre da minha paróquia e ele por mim,..." - e como sabe que ele está apaixonado por si?

Teodora disse...

ó anónima de 23 de agosto


"Não vejo nenhum problema abraçar um padre e ser abraçada por ele,..." então por que pergunta se existe pecado? se questiona é porque sabe que há algo que lhe escapa.

"Não nego que quando estamos juntos tenho vontade de abraçar ele e não largar mais..." - juro que embora tenha uma boa relação de amizade com amigos e colegas homens não tenho vontade nenhuma de abraçá-los e nem me imagino nos barços deles.

"mas quando o vejo de batina vejo que meu amor por ele não algo carnal..." - será normal, só significa que tem respeito pelo que ele representa nessa condição.

"acho que Deus o colocou em minha vida para fazer minha fé em Deus aumentar muito, com esse padre vi o quanto sou abençoada."- julgo que a fé não depende dos meus sentimentos relativamente ao padre da nossa paróquia. ela existe por si.

"Ele é um padre muito bonito, muito vaidoso, está sempre perfumado, gosto disso nele,..." - desculpe a objectividade do meu comentário, mas já pensou se ele gosta mesmo é que o adorem? não terá um problema de ego?

"contudo por mais que ache ele muito bonito nunca nos vi juntos de maneira carnal,..." tem a certeza, é que não foi isto que disse antes! voilá!: sempre que penso nele penso nos abraços carinhosos dele, isso não nego, mas nada além disso."

"Será que o que estamos fazendo é pecado? Abraçar-nos é um pecado? Eu não vejo assim" - será? então porque pergunta.

já experimentou meter férias para "medir" reacções? como sabe que ele é apaixonado por si?

e por fim, certamente que em seu redor haverá outras criaturas algo interessantes e que revelem algum interesse por si. já lhe aconteceu de estar na conversa com um desses cristãos e pensar .... "nããããã não chegas lá"... podes ser bom rapaz... tudo seria bem mais fácil... mas não és como o meu padre! ele é muito melhor.

talvez seja um bom autoteste!

é que começou por dizer: "Eu sou apaixonada pelo padre da minha paróquia e ele por mim,..." - e como sabe que ele está apaixonado por si?

Teodora disse...

ó padre desculpe lá esta repetição. é que nem sequer eu soube que fiz isto. por vezes aprece-me a informação que a página expirou. eu até já tinha desitido, pensando que tudo se tinha apagado!

poderia ter apagado. eu não ando tensa para carregar continuamente nas teclas. pelo menos na mesma.

Anónimo disse...

Boa noite Padre.
Entrei a pouco na busca da net, onde coloquei "mulheres que se apaixonam por padres", queria ler, saber de opniões, casos, enfim, sobre o que venho sentindo... Daí encontrei este blog, entrei e me identifiquei com alguns posts, sobretudo me emocionei com um, em que um ex-padre, fala que "deixou de exercer o sacerdócio, e não se arrepende ao ver a verdade nos olhos de sua filha".
Bem, sobre a duvida que o senhor ficou ao enviar o email, bem, cada um é cada um... No meu caso, não foi amor a primeira vista, nem a segunda e nem a terceira vista... No entanto, num belo dia, eu o vi bem de perto, e ele me olhou de um jeito, que não sei, senti uma atração por ele, mas deixei aquilo de lado... Mas, com o passar do tempo, foi crescendo e hj sei que o amo, que ele poderia ser o homem da minha vida, poderiamos ser uma familia, certamente.
Mas, não temos nada, alias, mal trocamos alguma palavra, eu apenas flerto com ele, e ele, olha, mas não sei dizer se sente algo, em meu intimo, acho que sim... Eu fico sem graça de até comungar com ele, sinto vontade de rir, por estar em sua presença. Alias, nunca me senti tão bem ao lado de alguém quando estou perto dele, qdo ocorre a oportunidade de uma comemoração, enfim.
O que sinto é muito verdadeiro e forte, gostaria muito de ao menos ser amiga dele, de conhece-lo mais de perto, saber o que pensa, sobre tantas coisas, saber o que gosta, como é seu humor, enfim, gostaria de conhece-lo... Amo a pessoa fisica que vejo, amo o que vejo e sinto, mas isso talvez seja paixão... Eu o amaria de verdade, possivelmente, se o conhece melhor.
De forma alguma sinto atração pelo fato dele ser padre, muito menos pela sua batina, e tb não o amo, para diminuir um vazio que possa existir em meu coração... Amor é atração, que pode ocorrer de diversas formas, assim no dia a dia, num olhar mais profundo, nas palavras, enfim... O desenvolvimento desse sentimento, amor, depende do convivio para saber se é amor, paixão, ou um engano do coração...
Sei o que sinto nesse momento, sei que é algo belo, não é forte como a paixão, não é arrebatador, não, é calmo, é carinhoso, é vontade de estar junto, de conhecer, de proteger e de me sentir protegida, por alguém com quem, a principio parace que me identifico tanto.
Peço a Deus, que se isso tudo tiver futuro, que ao inves de apenas um representante e uma fiel, Ele possa ter em nós dois quem sabe uma familia... Mas, se não for a vontade de Deus, então tire esse sentimento de meu coração.
Abc.

Anónimo disse...

Olá Padre. A sua bençao... Infelizmente faço parte deste conjunto de mulheres apaixonadas por algum padre. Ele é meu grande amigo, como um irmão pra mim, me alegra com sua presença e suas brincadeiras, me consola quando preciso, é realmente uma pessoa da qual me orgulho por Deus ter posto em minha vida. Nos conhecemos quando ele ainda era Diácono, ele veio para a minha Paróquia após a saída de outro padre. No início eu não gostava muito dele, brigamos na primeira vez que conversamos. Mas o tempo foi nos aproximando, pois eu frequentava a Paróquia, fazia e faço ainda parte de um dos Corais, e querendo ou não, teríamos de nos encontrar. Ele se revelou uma pessoa cheia de vida, com boas intenções, e tornou-se meu grande amigo. Acredito que este sentimento que nasceu em mim não tenha surgido pelo simples fato de ter me encantado com sua beleza, pois esteticamente, ele não é bonito. Mas quando passei a conhecê-lo melhor, descobri que haviam muitas qualidades e os seus defeitos ficaram encobertos. Hoje em dia eu frequento a sua casa, saimos juntos, andamos pelas ruas nos finais de semana, vamos a Pizzaria, a trilhas e realmente temos uma amizade muito bonita. Antes, como hoje, eu não conseguia vê-lo como Padre, é tanto que não o chamo de Padre, chamo-o apenas pelo nome, mas quando o via na Missa com a batina não me passava mal algum na cabeça. Mas agora, sinto este sentimento mais forte a cada dia e cada momento que passamos juntos, e mesmo na Igreja não o vejo mais como Padre. Não consigo dormir sem antes lhe mandar mensagens pelo celular. Não consigo passar um dia sequer sem vê-lo. Isso está acabando comigo! Ele me trata muito e bem e sempre se preocupa comigo, as vezes é chato quando faz umas brincadeirinhas, mas levo na esportiva e brinco também. Mas sei que esse amor é impossível e nem falo pra os outros o que sinto, apenas uma amiga e um amigo meu sabem disso. Já fiz tanta coisa para esquecer, mas é realmente muito difícil. Gostaria de saber se isto é pecado, já pensei em me confessar, mas tenho medo de que os padres possam dizer para ele, pois a maioria se conhece. Peço que me dê uma palavra de conforto. Grata pela atenção! NF

Anónimo disse...

Deus é Amor.. é toda a expressão de amor.. Desde sempre que os Padres têm de manter o celibato.. Se um Padre amar uma mulher será dentro do seu coração que ele encontrará a resposta ao seu dilema... Não se trata de saber por quem se sente mais Amor se é por Deus ou se é por uma mulher porque ao longo da vida amamos simultaneamente muitas pessoas, a nossa família, os nossos amigos etc.. Trata-se apenas de saber se é possível viver ou não sem o amor dessa mulher.. Deus ama-nos sempre..

Sou católica mas não assisto à missa. Gosto de ir à igreja quando não está lá ninguém. Para me recolher. Ocasionalmente tenho conversado com o Padre. Sempre olhei para um Padre, independemente da sua idade, como um Pai..Como um conselheiro.. Apaixonar-se por um Padre não é muito díficil devido às inúmeras virtudes que têm,.Ao respeito que demostram pelos outros, aos seus valores morais, à sua paciência para nos escutar, ao seu humanismo etc.. Ora hoje em dia é difícil vermos claramente essas facetas nas pessoas pois elas tendem a não as exporem.. Contudo o bom senso deve nos ajudar a pensar duas vezes antes de olharmos para um Padre como um homem. Uma pessoa vocacionada e preparada para abraçar uma vida assim é bastante diferente de nós. Por isto eu entendo que se nós por vezes somos infelizes numa relação e se tivermos de acabar essa relação iremos voltar a amar, a nossa vida vai continuar.. Um padre se amar uma mulher vai ser algo de muito sério..de muito genuino.. Ele irá abdicar da sua vocacção por algo que ele pensa ser maior ainda..Portanto nada poderá ir ao contrário disso.. Ninguém poderá destruir esse sonho..Ninguém terá esse direito.. Pois seria literalmente destruir uma vida.. Havendo tantos solteiros e solteiras não há necessidade nenhuma de desencaminhar quem está a seguir uma vocação..

Na minha opinião quem se apaixona por um Padre deveria mudar de paróquia e deixar o Padre seguir a sua vida tranquilamente. Não se pode destruir uma vida de alguém tão vocacionado apenas porque se transferiu afectividade .. Se um Padre amar uma mulher então aí é diferente na medida em que se parte do príncipio que o Padre já meditou e entendeu que os seus sentimentos por essa mulher são mais fortes do que a sua vocação.

patricia disse...

Tive um relacionamento com um padre,nos conhecemos durante uma viagem e ele começou a dar conversa,e conversa vai e conversa vem,ele me disse qui fazia parte dos padres modernos,nao achei normal,mas bom cada um é livre,eu so sei qui depois de 2 meses ele entrou em contato comigo e veio na minha casa me visitar sabendo que vivo sozinha,e si passou tudo,depois quando ele voltou a realidade de sua vida foi si confessar com um padre e continuamos amigos e ele alimentou esperanças em mim sabendo qui meus sentimentos por ele nao era so uma amizade,tudo isso durou 1 ano e meio,e ele vinha e dormia-mos na mesma cama,e como fez comigo pode fazer com outras,mas isso é entre ele e Deus pois com Deus nao si brinca,mais cedo ou mais tarde toda verdade sera descoberta,o concelho que dou a uma mulher que si deixar influenciar por um olhar ou um carinho de um padre si afastem pois sao homens que estudam muito e sao inteligentes para si sairem de qualquer situaçao,usam o nome de Deus por brincadeira,pois antes de tudo nao deixam de ser um HOMEM,ele mesmo me falou que os padres sao proibidos de casarem,mas nao de terem mulheres e o que ele fizer é entre ele e Deus,espero que a mensagem foi clara para aquelas qui estao vivendo atualmente essa situaçao.

Anónimo disse...

me envolvir com um padre de arapiraca,ele brincou com meus sentimentos durante 1 ano e meio e tem mais atualmente vive um relacionamento com uma jovem de penedo,pois descobrir que ela esta acostumada a ter envolvimentos com padres e seminaristas da regiao,querem um concelho?nao si deixem envolver ou iludir por um relacionamento que nao ira adiante.

Anónimo disse...

Após ler vários comentários, resolvi ter coragem e falar desse sentimento que me atormenta, sou catequista e coordenadora aqui na minha paróquia, por isso o meu contato com ele é sempre direto e complicado, mas ao mesmo tempo satisfatório em ficar contemplando-o, muitas vezes aproveito a desculpa de resolver alguma coisa da catequese, para estar ao seu lado...durmo e acordo pensando nele, e chego até sonhar com ele...é horrivel!! Ve-lo nas missas celebrando e escutando as suas palavras, me conforta, mas me atormenta, sei que é errado amar um padre, pela sua vocação, mas sei que é certo amar um homem...ele é apaixonande, amavél, carinhoso, inteligente, as vezes irritante, mimado, mas eu o amo seja padre ou não...e de uns dias para cá, estou sofrendo mais ainda pois ele vai trocar de arquidiocese, isso está me enlouquecendo, por isso estou me agarrando na idéia que é o melhor para mim e para ele, principalmente para mim, assim paro de ama-lo (como se fosse facíl) e o esqueço...que futuro ele pode me dar e eu que futuro posso dar a ele, nenhum...eu o quero muito, o desejo muito, não quero só o sexo, pelo puro prazer do sexo, mas sim cuidar, amar, protejer...não consigo comungar pelas suas mãos, me sinto em pecado em dobro, pois tenho medo de abraça-lo, beija-lo ali mesmo...para piorar casei com outro homem, só para esquece-lo, a maior burrada da minha vida, pois não o esqueci e ainda por cima nao amo o meu marido, é um sofrimento em dobro...eu desejo toda a felicidade do mundo e espero conseguir esquece-lo...te amo tanto meu amado!!!

Anónimo disse...

olá, li
varios desses comentários sobre padres, amores, é engraçado, eu sou catequista de uma igreja e tenho muita admiração pelo padre, não tenho muito contato com ele, porém, um dia assistindo uma missa olhei para ele e ele começou me encarar, achei estranho, afinal um padre! encarando uma mulher sem motivo algum? fiquei sem jeito , tão sem jeito que não consegui mais olha-lo nem na hora da homilia. o tempo passou e isso ficou me perturbando, achei que tivesse sido impressão minha, mas com o tempo notei que ele fazia coisa estranhas qd eu estava por perto, como se quisesse chamar minha atenção, e conseguiu, passei a pensar nele 24 horas por dia, ele não é nenhum iniciante e eu também não sou nenhuma criança, mas não consigo tira-lo do pensamento, peço sempre a Deus que me ajude a esqueçe-lo. não consigo nem comungar com ele, passei a prestar mais atenção nele, e tenho a impressão q ele tbm. acho um desperdicio um padre viver só, afinal de contas ser padre não significa ser Deus, Deus é único, e pelo pouco q conheço, a igreja é sim uma instituiçao que ensina sobre Deus, e tbm uma grd empresa,onde existe regras q devem serem cumpridas, respeito, tbm trabalho e na minha empresa todos cumprem regras, que são repeitadas mas na hora do serviço, acabou o trabalho cada um tem sua vida e vive de acordo com o que gosta,assim tbm deveria ser a igreja, o respeito e a fé estão em nossos corações, talvez se eles fossem um pouco mais livres , não existisse tantos absurdos, que acontecem com os padres, afinal de contas antes de serem padres eles são seres humanos, como todos nós.Eu admiro muito esse padre, sei que um dia vou tira-lo do meu pensamento mas continuarei tendo a mesma opinião.

Anónimo disse...

oi padre eu gostaria de saber sua opinião pelo romance da novela morde e assopra do padre francisco e da melissa, vc acha que a novela esta mostrando o que tem acontecido muito...ou quer causar polemica e a igreja reprova essa atitude...a novela quer mostrar os 2 lados ...
se vc não conhecer basta procurar no youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=g5CR6868AuQ
gostaria de ver a opinião de 1 padre sobre isso seria interessante pois pelo q eu li aqui nesse blog ha muitos casos assim bjss

Confessionário disse...

Olá, ultima anonima

Nao conheço essa novela. Como sabes, estou em Portugal...

padre disse...

Eu sou uma dessas mulheres que amam um padre, já a mais de cinco anos vivo esse amor, no entanto, nunca houve nada entre nós, apenas um ou outro abraço, apertos de mãos e raras vezes, um beijo no rosto, sempre na presença de outras pessoas.Veja Padre, eu me apaixonei pelo padre, mas com o passar do tempo percebi que amava também o homem que existe dentro do padre, com todas todos seus defeitos, chato, áspero,etc. Para mim que venho de uma família muito católica e de principios rígidos, e ainda por cima, uma mulher casada, descobrir que estava amando um Padre, a descoberta desse amor, me tirou o chão, me deixou atônita e com raiva de mim mesma. Passados mais de cinco anos dessa descoberta e após muita oração, eu tenho conseguido conviver com esse problema, só não consigo deixar de ama-lo, pareçe que estou condenada a carregar dentro do peito, para sempre esse amor. O pior é perceber que ele também sofre,porque toda vez que encontro com ele , sente que eu o amo demais, na hora da missa não consigo tirar os olhos dele e ele também me olha, porque outro dia percebi que ele me procurava com os olhos durante a missa . tem dia que parece que vou morrer daí então mando uma mensagem de amor aí quando me responde fico tão feliz que pareço criança . o que faço com esse amor? O PIOR é que ele vai embora para outra paróquia e sofro demais com tudo isso. um abraço LU

Anónimo disse...

para a Anonima de 31 de Maio (ja de 2010), a que se sente ou sentiu abandonada: nem sei como dizer, mas o meu caso foi bem mais grave..de agnostica e doente em deonças do comportamento alimentar, ha cerca de 10 anos fui como que resgatada ds morte por um padre que se apaixonou por mim..entretanto amei-o de mais e "por completo", sempre achado que por detras desse amor estaria a mao de Deus, pk se nao tivesse sido esse amor nem a face de Deus teria voltado a conhecer nem sequer o que seria viver sem anorexia..hoje, passada uma decada, finalmente, por causa dos novos movimentos da igreja, ele diz ter sentido um chamamento especial de Deus e so agora sente que nao estava a levar uma vida moralmente correcta perante deus!!
ou seja, ele sente-se no céu com o seu novo movimento e eu no inferno, pk nao consegui mais entrar numa igreja como voce, a minha magoa transferiu-se dele para deus, pk para mim ele era a ponte para deus, era um reflexo do amor de deus que se quebrou..so, sem deus e com outras doenças agora de outra natureza..
como ves, é tipico desta classe a cobardia, o egoismo, o amarem mais a deus (o deus que eles constroiem) do que o Proximo..
descareditei de tudo e de todos...

católica decepcionada disse...

Aqui na minha paróquia, aconteceu um caso muito grave. O Pe. envolveu-se com várias mulheres e acabou se complicando com uma, pois é ciumenta e barraqueira. Esta mulher passou a ter ciúmes das catequistas e cantoras do ministério de música ao ponto de ir à escola acusar uma participante do ministério de música de estar dando em cima do seu homem. A mulher e seu marido fizeram um B.O da amante do Pe. O sacerdote tomou as dores da barraqueira e expulsou o casal do ministério. Até hj o casal sofre pela exclusao, pois o bispo, p não dar o braço a torcer, não permitiu que o casal voltasse a exercer seu ministério mesmo com outro pároco. A coitada da mulher que foi humilhada ainda está perseverando, vai à missa, mas o marido se decepcionou com a igreja e não quer nem saber mais da igreja católica e junto com ele, um monte de pessoas. O que fazer para ajudar esse casal que foi prejudicado por um Pe. tarado?

Anónimo disse...

Desculpe padre!
Hoje ao buscar um tema de catequese, encontrei por acaso este blogue. Adorei esta ideia de um blogue católico e a verdade é que estou há horas a tentar ler todos os textos e comentários aqui expostos. Se é verdade que você é mesmo padre, parece-me alguém muito corajoso pelos temas que aqui coloca, mas, também alguém muito sensível e humano, pela forma como descreve as suas vivências. Ao chegar aqui a este texto, li um comentário da senhora que se intitula católica decepcionada. Eu ontem dia 29/10/2011, no canal foxmovies, por coincidência vi o famoso filme " O crime do Padre Amaro", em versão castelhana. Não sei na realidade se é um caso veridico, ou não, mas, se aconteceu mesmo realmente,então é verdade aquela frase "faz o que eu digo, mas, não faças o que eu faço." Padres que tem amantes, que pedem para abortar, pensei na minha ingenuidade que isso, só acontecia na ficção, mas pelos vistos a realidade muitas vezes supera a ficção. Por isso não concordo com o celibato imposto aos padres pela igreja católica, pois muitos deixaram de viver um grande amor com uma mulher por causa do sacerdócio, ou vice-versa. Porque não poderem ter as duas coisas? Acho que seria uma pergunta pertinente a utilizar nesta sociedade do chamado séc.XXI ao Papa Bento XVI. Será que este Deus que é amor, compreensão, piedade e perdão, é assim tão possessivo e ciumento com os seus discípulos? Acho que esta ideia egocêntrica de Deus está errada, do meu ponto de vista claro. Como catequista, falo do amor e perdão de Deus, então como posso acreditar num Deus castigador que nos traz infelicidade, impondo-nos sacrificios por vezes tão superiores a nós próprios, à nossa natureza fisica e humana? Falo como homem que sou, com as minhas fraquezas e os meus muitos pecados. Mas quem não os tem padre?! Por isso somos humanos e não deuses. Deixo-lhe este conselho se algum dia se apaixonar padre e for correspondido nesse amor, continue a sua verdade e a sua caminhada, mesmo fora da igreja, pois existem muitas formas de servir a Deus, este Deus que eu defendo que é pai, que nos ama e sabe do que precisamos, muito melhor do que nós. Parabéns pelo blogue, vou concerteza voltar aqui mais vezes. Continue o excelente trabalho, pois noto em si uma grande vocação.

Abraço em Cristo!

C. E.

Anónimo disse...

Sou casada ha 20 anos e nunca pensei que isso poderia acontecer um dia comigo. Quando entrei na secretaria da Igreja para pedir informação e o Padre apareceu,no exato momento que nos olhamos algo aconteceu e dai em diante não parei mais de pensar e não posso afirmar com certeza mas existe algo diferente nele quando ele me olha. Vou ter que tirar isso do meu coração...

Anónimo disse...

sou a anonima de 17 de outubro, a que tenta resistir a todo o custo ao abandono de um padre que diz finalmente ter descoberto o "chamento de deus" depois de um amor humano de 10 anos..
o que vos aconselho se se apaixonarem por alguem dessa "classe" é que nao sejam boazinhas como eu que, ao contrario da "barrqueira" da historia que aqui é contada no blog, nunca o encostei à parede, sempre me mantive na sombra recolhendo as migalhas afectivas duma vida que eu mesma faiza questao ele dedicasse aos seus paroquianos e mtas vezes no inicio ele ao tentar desistir por desiuloes com colegas ou vida em comunidade, fui eu quem sempre o incentivou a permanecer no sacerdocio. isto porque achava que se um dia tivesse que optar por mim, fosse por amor e nao por desgosto da vida dele..
como podem ver o bem é a vespera da ingratidao.. acabou comigo e na fase em que eu estava doente.. amor ao proximo? nao, isso é mais para as homilias..
desculpe o autro do blog, mas infelizmente existe de tudo: os bons pastores e os que fazem de conta..
por isso custa rezar o pai nosso: "seja feita a vossa vontade".. será que vale a pena, qdo a maioria das pessoas, até padres nao a cumprem? e quem a cumpre so se ve caminhar num pantano de dor e sofrimento..
os padres nao estao preparados para uma vida a dois, é melhor desenganarmo-nos disso. sao demasiado egocentricos, sao treinados para distribuir generalidades e nao se concentrar na essencia do ser humano que é a afectividade. salvo excepçoes claro, e desculpe o autor mais uma vez, caso seja mm padre

Anónimo disse...

Pe, estou sofrendo muito, pois jamais pensei viver o que estou vivendo.Sou divorciada e tive um companheiro que faleceu a 7 anos,decidi que seria melhor viver só,mas algo me aconteceu e confesso não saber o que fazer,foi derrepente uma troca de olhar e cá estou eu, tendo a certeza de estar amando verdadeiramente pela primeira vez na minha vida,nunca senti por homem nenhum o que sinto por ele.Não comungo mais,na hora da comunhão é difícil demais,choro o tempo todo e creio estar pecando.Estou confusa com relação a ele,pois as vezes percebo um olhar ora piedoso e ora confuso, estou percebendo que sabe o que sinto,mas jamais vou ter coragem de me declarar a ele por medo.Prefiro orar a Deus para ter misericórdia de mim,que falta de sorte a minha depois de tantos anos só,descobrir esse amor impossível.Hoje me contento com um olhar seu,quando há um abraço e sempre na presença de outros fico tão feliz de ter o prazer de sentir o seu cheiro.Me dê um conselho,me declaro a ele correndo o risco de ser rejeitada ou fico no anonimato? Observo que ama ser sacerdote,mas percebo que também retribui meu olhar e as vezes percebo claramente que tenta fazer diferente e não consegue. Não sei se é por um desejo enorme de ser correspondida ou se realmente está acontecendo algo também da parte dele. O que devo fazer? Só sei de uma verdade não desejo isso a ninguém, pois é uma situção muito delicada.Tanto homem livre até meu ex marido é louco para me ter de volta,mas nunca o amei. Que destino cruel esse meu,tenho fé em Deus que esse sentimento irá abrandar e vou conseguir voltar a comungar e esperar a graça e o tempo.

Anónimo disse...

Eu tbm sou apaixonada pelo meu pároco ele é tanho bomitoo...eu amo ele....

N. disse...

http://relatosdeumamentepensante.blogspot.com/2012/01/solitaria-vida-de-quem-ama-um-padre.html

Anónimo disse...

Para a "N" que publicou o seu blog, mt sentido, com um sofrimento mt profundo..tudo o que la diz por tudo passei: um amor profundo, demasiado limitado aos olhos dos outros que dele nem podem saber, um amor mt solitario, sem futuro e sem certezas de nada a nao ser do momento que nunca sequer sabemos qdo chega..sim eu tb dizia que um amor destes, com tanta entrega e sem pedir nada em troca, so poderia estar abençoado por Deus...mais a mais no meu caso tinha-me tirado das garras duma doença terrivel - anorexia- ... afinal tudo terminou..nao acredito por um minuto so que me tenha amado, apenas se ama a si proprio e eu fui apenas o descobrir da algo diferente e novo na vida dele.. so sinto pena de ele ter chegado à conclusao 10 anos depois que deus estava em 1º plano e que nao era correto perante deus o nosso amor.. nao foi uma atitude correta para um homem, mt menos para um homem da igreja, por isso a igreja hj para mim esta desacreditada e acredito mt mais num homem que se diga longe de todos esses valores tao sagrados do amor aproximo do que pessoas que como esse padre que disse que me amou e esquece-se que para amar a deus tb tem de amar ao proximo e o que ele fez foi gozar com o proximo..
oxala tenha mais sorte que eu.. nunca se sabe, a vida é uma lotaria e eu acerto sempre nos numeros errados.
abraço e mta força. eu entendo mt bem o seu amor.. ninguem o pode condenar, e se algum dia essa pessoa disser que deus o condena, é mentira, estara apenas a ser cobarde... eu ja quis culpar deus pelo que aconteceu, mas agora sei que se condenar alguem sera essa pessoa e outras mal formadas que integram a instituiçao igreja..embora nessa mesma insituiçao exista gente de cabeça limpa e que pregue o Amor de verdade..mas esses quase sempre nao sobem na hierarquia.

Alice Moreira disse...

Olá Padre,

sou alice, acompanho sempre o senhor em suas postagens principalmente nesta em questão, pois é de um tema que muito me interessa, pq tb me relaciono com um padre.

Acompanho a angustia dessas mulheres aqui, em meu blog e em um grupo (voltado para esse tema) que gerencio na internet, converso, ouço (alias leio), auxilio mulheres que passam por esse mesmo desafio, meu companheiro (padre) tambem passa por situações críticas com mulheres nessa situação e as vezes em meu site escrevo sobre isso, as suas reflexões nesse texto são bem iluminadas e gostaria de agradecer por te-las escrito, gostaria de pedir pra que escrevesse algo para essas mulheres que sofrem com esses questionamentos, acho que ajudaria muitas pessoas.

Deixo aqui o link do meu blog caso queira ler algo ou suas leitoras se interessem, peço que não repare a linguagem, minha forma de escrever é diferenciada da sua, mas ainda assim acho que passo a mensagem.

Que Deus abençoe a todo(a)s

http://relatosdeumamentepensante.blogspot.com/2012/01/para-as-paroquianas-que-nao-respeitam.html

Ale disse...

Estamou confessando...amo um padre e agora o que eu faço...eu não sei, o fato é o seguinte: eu infelizmente amo um homem que é padre, não escolhi, não desejei, mas é imensamente forte e crescente. Se ele me corresponde...ele é indiferente...ele sabe do que sinto, mas não reage, não diz nada, me evita, sei que a condição dele enquanato padre é essa, e não poderia ser diferente, ele está fazendo a parte dele de padre, mas sinto que ele está confuso, que sente algo, mas não sabe lidar com isso. Padre não é anjo, não santo. Os padres são homens comuns sim, estudaram para realizar um determinado trabalho o qual chamam de missão, advinda de uma vocação que sabe-se lá de onde nasceu que muitoas pela maioria que se percebe é induzido pela família, famílias do inteior em condições socioeconômicas não muito favoráreis que entendem que ter um padre na família é um orgulhom como um médico, um advogado, enfim...não acho justo com esses pobres homens que entram para o seminário ainda adolescentes e que acabam tendo um vida que na verdade lhe foi imposta sem que se dessem conta. Quanto a questão do Celibato...gente...o que significa ser celibatário"O Celibato (do latim cælibatus que significa "não casado") na sua definição literal é uma pessoa que se mantém solteira,sem obrigação de manter a castidade, podendo ter relações sexuais . No entanto, o termo é popularmente usado para descrever uma pessoa que escolhe abster-se de atividades sexuais.Agora pergunto: Os padres podem ter relaçoes sexuais...entendo que sim, mas não podem se casar...ai n entendo, penso que essa ideia já seja ultrapassada, de padre não poder namorar, não poder casar, nao poder ter filhos, eles podem e deveriam sim, isso que a igreja impõe é muito egoísta, pensando apenas na riqueza desta, para que não fique herença para os filhos dos padres. Por favor...olhem o que a igreja alega também como motivo para esses pobres homens se manterem celibatários:
A Igreja Católica, sinteticamente, dá as seguintes principais razões de ordem teológica para o celibato dos sacerdotes e religiosos de vida consagrada:[8]

com o celibato os sacerdotes entregam-se de modo mais excelente a Cristo, unindo-se a Ele com o coração indiviso;
o conteúdo e a grandeza da sua vocação levam o sacerdote a abraçar na vida essa perfeita continência, que tem como exemplo a virgindade de Cristo;
o celibato facilita ao sacerdote a participação no amor de Cristo pela humanidade uma que vez que Ele não teve outro vínculo nupcial a não ser o que contraiu com a sua Igreja;
com o celibato os clérigos dedicam-se com maior disponibilidade ao serviço dos outros homens;
a pessoa e a vida do sacerdote são possessão da Igreja, que faz as vezes de Cristo, seu esposo;
o celibato dispõe o sacerdote pare receber e exercer com generosidade a paternidade que pertence a Cristo.
Mas eles podem fazer tudo isso e ter sua esposa, sua família, sua vida, podem sim...
Os padres querem trabalhar para Deus e para a igreja, mas são homens poxa, isso causa um sofrimento tamanho.

Mariana disse...

Confesso que sinto atração por um padre da minha paróquia,mas tento tirar isso da minha cabeça,procuro me afastar, mas como sou catequista fica difícil,parece que ele sente algo por mim também,sinceramente não sei o que fazer !

Anónimo disse...

Olá, pessoal.
Tenho feito pesquisas a respeito deste assunto. Quero aqui expor o que sinto, pois é muito difícil conviver nessa realidade.
Por volta de 3 anos atrás conheci o padre da paróquia onde moro. A princípio pensei que fosse um homem "comum", me apaixonei imediatamente, não sei como explicar. Acredito que muitas pessoas se apaixonam por um padre por motivos diversos, muitas vezes consequentes de carência, fetiche entre outros. Porém, acredito que algumas mulheres, como no meu caso, se interessam pelo homem... Eu não sei como conviver com essa angústia pois todo esse tempo não consigo me aproximar de outra pessoa, inclusive evito ir à missa e frequentar eventos em que ele esteja. Porém, é muito difícil até mesmo falar sobre, não sei como agir. Apenas minha família sabe. Agradeço pelo espaço dedicado ao assunto. Acredito que o Vaticano deveria repensar a situação dos padres.

Anónimo disse...

Boa tarde
Sofro de um transtorno psiquiátrico chamado POC Perturbação obessiva compulsiva. No decorrer da manifestação da minha doença, aproximei-me muito de um padre e ele de mim, passei quase a depender dele. Não podia passar um dia sem falar com ele, e ele já gastou muito dinheiro comigo, em telefonemas. Não morava perto de mim mas os superiores mudaram-no para mais longe (ele faz parte de uma congregação religiosa, o que me fez sofrer porque já não o podia ver tantas vezes como antes. Fui internada e ele veio ver-me algumas vezes. Eu também tenho que estar a par de tudo o que se passa com ele. Eu melhorei um pouco do meu problema, mas sinto-me quse totalmente dependente dele, não posso passar sem falar um dia com ele ao telefone, eu sou religiosa também, mas o meu coração está muito preso a ele, e também penso que o dele está apegado a mim. Só nos vemos de vez em quando, raramente. Penso que o amo, mas não tenho certeza e é melhor cada um seguir o seu caminho, embora eu me sinta totalmente deprimida e ache que a vida religosa é muito pesada para mim, ele sabe disso, mas também me aconselha dizendo que é o melhor para mim. Sofro muito. Não posso estar com ele como gostava, mais perto e com intimidade. Acho que se o tivesse por mais perto e nos vissemos com regularidade e facilmente eu me entregava a ele sem reservas e penso que ele fazia o mesmo, até porque é contra o celibato, principalmente dos padres diocesanos. Quero ser fiel à minha consagração, mas ao mesmo tempo sinto-me dividida, e sem forças para decidir. Neste momento, na minha comunidade, quase não faço nada, porque só penso no meu problema, e o que me vale é ele, que me aconselha. Não quero admitir que estou apaixonada, mas que gosto muito, dele ai isso gosto. Penso que não aguentava ficar sem falar com ele, um dia que fosse.
Antes tinha esta obsessão com outra homem, mas depois que me aproximei deste sacerdote, fiquei dependente dele. Só o que ele diz é que vale para mim. Será amor?...

Anónimo disse...

Eu penso que o celibato deveria ser opção e livre. Digo isto porque o tenho ouvido a muitos sacerdotes. Por vezes não se aproximam mais de alguém de quem poderiam receber carinho, porque t~em o celibato e medo de Deus como já ouvi. Uma vez a um sacerdote, ouvi esta confidência: "sabe Deus o sacrifício que passo, sobretudo quando aparecem no meu caminho mulheres bonitas e carinhosas, que sem o saberem são para mim fonte de muito sofrimento". Se não fosse por medo de Deus.....e o "que mais custa é não ter um filho....", mas resignam-se, e dizem que se viveram até uma certa idade sem uma mulher, também podem viver o resta da vida.
Seria bom haver liberdade...O celibato é de uma beleza incondicional, mas deveria ser uma escolha, até que para ser padre, não faz falta o celibato....

Anónimo disse...

Eu me preocupo com essas questões de paixões por padre, eu na verdade vivi uma situação inversa. Um padre 26 anos mais velho que eu se apaixonou por mim e começou a me bajular com presentes e mimos bem carinhosos, eu comecei a gostar daquela situação e comecei a corresponder, tivemos um romance por 5 anos, tivemos um filho e juntos contiavamos. Mas com a incerteza do futuro da criança, as preocupações com a situação dele na igreja, acobou entrendo em depresão e morreu doente. Uma pena, apesar de termos vivido um amor maravilhoso, não pudemos viver ele por completo e ele não pode ver o filho dele crescer. Hoje crio o filho sozinha e busco na justiça a ajuda da igreja.

Anónimo disse...

Eu sou freira. Também eu me deixei apaixonar pelo meu director espiritual e tenho um orgulho enorme nisso. Todos os dias nos comunicamos. Falamos de tudo. Não vivemos perto, mas se vivessemos....aí não sei se eu ainda seria freira. O problema é que eu tento seduzir outros padres, com olhares muito carinhosos, e todos sabem como são os homens, quando veem uma mulher assim com uns olhinhos meigos ficam tolos de todo. Eu dou conta. Os padre não são excepção. E então aqueles de quem nós andamos atrás com comentários, mexeriquitos e curiosidades?....Só têm olhos para nós. Defendem-nos com unhas e dentes, mesmo que algumas vezes não estejamos a fazer assim tanto bem, mas ficam ceguinhos.
No fundo eu quero o amor dele só para mim, embora eu saiba que também se dá com outras mulheres.
Eu nunca fiz sexo com ele, mas fiz antes de entrar no convento e sei qual é a sensação, e tenho saudades, as vezes penso que a minha vocação é uma mentira, porque o que eu mais desejo é ter o amor de um homem só para mim e viver para ele como mulher.
Também não me convém sair, porque aqui, não me preocupo com contas e outros problemas.
mas por vezes fico a pensar nos mamorados que tive antes de entrar no convento e se ainda estão solteiros ou não.
Chego a ficar profundamente deprimida com estes pensamentos, e ando contente quando sinto que estou a chatear alguma das irmãs. O meu director espiritual, o meu grande amor, diz-me que não tenha medo, que como tenho os votos perpétuos elas não brincam comigo, nem fazem o que querem, que seria mandar-me embora do convento.
Tenho muitos desejos de um homem, comigo, e só me sinto bem quando me acarinham.
Por vezes penso que se calhar algum dia me vou tornar escandalosa, mas eu sinto-me orgulhosa em pensar assim e ainda gozo com as outras irmãs porque não têm um director espiritual que lhes diga estas coisas, nem um homem que as ama como ele me ama. Sinto-me superior às outras. Sou arrogante. Chego a tratá-las mal, ai delas que me digam alguma coisa, logo conto ao meu amor de padre e ele diz-me que não tenha medo. Ele é uma pessoa com grande formação, numa congregação importante, e ele também diz que os outros padres não brincam com ele. Chegou a dizer que falava até com o bispo, se fosse o caso, para me defender.
Quando eu entrei no convento, foi mais para esconder de um possível marido os meus relacionamentos com outros.
Ocultei tudo da superiora e das irmãs pensando que se soubessem não me quereriam cá.
Um dia confessei-me e fiz ver que era uma irmã professa e antiga que tinha tido relações sexuais com um rapaz. Então o Sr.Padre acreditou e disse-me que esperasse e se me faltasse o periodo teria que me ir embora, pois poderia estar grávida. Como tal não aconteceu, eu pude continuar no convento, mas sentindo sempre muita dificuldade em me adaptar à vida do convento. Procuro estar contente, mas só fico mesmo contente quando posso estar por perto de um homem, mesmo sem fazer atos sexuais, mas faz-me falta sei lá a sua companhia, ou conviv~encia.
No fundo os homens com quem mais convivo são os padres e é a esses que eu procuro chamar a atenção.
Eu vivo assim no convento. Não pensem que vivem todas com uma grande santidade.
Por mim eu falo.Sou apaixonada por homens.

Anónimo disse...

Ola..... Passo por uma situação parecida pq eu gosto de um menino que quer ser padre mas ainda não tem idade pra ir para o seminario vcs podem pensar que e uma situação bem mais fácil do que gostar de um padre mas eu acho que e igual as duas situações pq quando uma pessoa está desidida a se tornar dificilmente ela muda de ideia.....bjs

Anónimo disse...

Comigo está acontecendo uma
situação em que eu e um Padre estamos muito atraídos um pelo outro e já aconteceu de termos alguns encontros românticos. Bom, ele está em conflito, o que considero normal. Tenta manter a sua postura de padre e me diz que não me esquece e me quer, mas não pode... Eu não vejo o padre, mas sim o homem q tem por trás disso tudo e, ao meu ver, ele me quer como o quero, então, mesmo sendo uma luta difícil, estou lutando por esse amor. Acredito que Deus sabe o que tem dentro do coração de cada um e estou apaixonada. Continuarei tentando porque gosto dos momentos que passamos juntos. Amo o homem que existe dentro da figura de um padre e, com todo o respeito, se a questão do celibato não existisse, estaríamos juntos agora, pois ele mesmo me disse isso. Ele me disse que queria muito me assumir. Vou lutar por ele e seja o que Deus quiser. Boa sorte a todos que estão passando pelo que eu passo!

Anónimo disse...

Olá, há alguns anos atras chegou um novo Pároco em minha Paróquia, ele era jovem e bem humorado, carinhoso com todos os fiéis.. Na época eu era bem novinha ainda não pensava nessas coisas de paixão, amor ainda.. Um certo dia ele deixou nossa Paróquia e um outro padre o substituiu. Com o passar do tempo eu sempre lembrava dele, pois ele era querido por todos.. eu fiquei mais velha e um certo dia me veio novamente a figura dele no meu pensamento,sempre lembrava dele com todo o carinho. Fiquei um tempo afastada da minha Paróquia por motivos pessoais.. até que no começo do ano eu retornei para Glória do Senhor, e pela minha surpresa quem era o novo Pároco? Ele mesmo, o Padre em questão aqui.. Foi uma Enorme surpresa.. Mas por incrível que pareça vi ele com outros olhos.. vi ele pela pessoa que ele é e nao como um sacerdote que esta ali para ensinar e cuidar de suas ovelhas. Não queria me deixar levar com isso mas nao esta tendo jeito.. Todos os dias Rezo à Deus para que tire esse amor de mim, pois não queria tirar um servo de uma vocação tao especial e tao linda que é ser padre.. Mas que Deus faça sua vontade.. se é da vontade dEle que o Padre continue em sua vida santa, que tire isso do meu coração. Tenho certeza de que muitas mulheres dao em cima dele, por ser uma pessoa muito compreensiva e cativadora.
Não sei se estou em pecado por ter esse sentimento, amar um padre, e queria saber se devo confessar isso ou não? Devo me declarar pra ele em confissão ou deixar esse sentimento só para mim?
Espero que responda e ajude-me com essas dúvidas, sou jovem e não gostaria de fazer a escolha errada.

Abraços, Paz e Bem !

Anónimo disse...

Eu vivo uma situação dessa, há 10 anos vivendo só com trocas de olhares, ele sepre me falando do seu amor, ele sempre me disse eu te amo...mas eu tb o amava, mas nunca dei deixa pra que acontecesse algo, sempre fui firme e fiel, ele mudou d paróquia e foi pra outra cidade, mas eu nunca o esqueci, perdemos o contato e ficamos 8 anos sem nos falar, até que um dia nos vimos, e ele disse nunca ter me esquecido, aí voltou tudo de novo, noso amor é grande demais, e é amor, não paixão,tento evitar, mas não tenho conseguido, nos encontramos sempre que fraquejamos, é um imenso amor, e vejo td isso normal, um homem, que a partir do momento que deixa de ser padre, é um homem comum, com direito de amar e construir uma familia, e é isso que queremos, só estamos esperando o momento certo, deixo ele fazer sua escolha, dou esse tempo a ele, e não fico fazendo cobranças, porque o que eu quero é ele vivendo comigo, e eu cuidando e dando muito amor a ele, porque vejo o seguinte, se um Padre vai atrás de uma mulher, está fugindo de suas obrigações, mas um Padre só faz isso porque não se encontrou ainda, lá no seu íntimo ele não está completo, e talvez só está nesse caminho pq não tem coragem de tomar uma decisão e magoar pessoas tão próximas, pensem nisso padres, pq Deus que a felicidade de todos, não um Padre vivendo de fachada, desculpe a sinceridade, mas Deus é a favor do amor, e eu amo meu padre e homem como nunca amei ninguém em minha vida e sou amada com a mesma intensidade,e não vou desistir desse amor, nunca, a não ser que ele desista... abraços

Anónimo disse...

Bom dia, pela primeira vez visito o blog e adorei. Pesquisando sobre o tema vi como é comum padres se apaixonarem,e mais comum ainda as mulheres por ele se apaixonar. Enfim, nunca pensei que pudesse acontecer comigo, mesmo por que sou timida, e acredito que em casos assim a mulher é que teria que tomar a iniciativa. Ja passaram pela igreja que eu frequento muitos padres jovens e bonitos,mas este em especial é sensacional, eu nao sei, mas acho que me apaixonei por ele, mas ele é maravilhoso, e nao cogito a ideia de um relacionamento amoroso, na verdade nem converso com ele; seria egoismo tirar ele do caminho que escolheu e que é notorio como ele faz bem às pessoas, a vocação dele e visivel. Eu o admiro muito e talvez por isso me manterei distante, a minha confusão tentarei resolver sozinha, mas nao pretendo deixa-lo confuso. Bom talvez esta atitude é por minha falta de coragem.
um bom dia a todos.
Andrea

Anónimo disse...

na minha paroquia teve um padre que deixou muitas mulheres loucas por ele mulheres solteiras e mulheres casadas
ele era muito simpatico e atencioso carinhoso ate os homens se apoixonaram como se explica essa paixão tão grande ele foi embora ficou um vazio que nem um outro padre preenche já soube que a onde ele estar estar acontecendo a mesma coisa
como se explica isso gostaria de saber mas parece que ele gosta dessa situação tenho medo que ele seja prejudicado no clero pois ele e muito liberal e jovem e gosta só que os sentimentos não se brinca as vezes acho que ele não é normal não pensa que estar fazendo os outros sofrerem parece quele só que ser feliz sem olhar os sentimentos dos outros os padres deveriam tomar mais cuidados pois prega uma coisa e faz outra é complicado amo esse padre mais tenho essa conciencia que ele nunca vai abodonar o sacerdocio e espero que não pois quero ele padre mais fico agustiada com isso, ele ainda é jovem peço a Deus que passa afrente dele sempre
pois é um padre muito carismatico inteligente atencioso educado tudo que nós pobres mortais precisamos mais se apoixonar por padre não é uma boa que Deus entre no coraão de todas as mulheres que estão passando por isso saia dessa situação é meu conselho não conheço nem uma mulher que se envolveu com padre que tenha se dado bem deixe eles servir a cristo. LMS

Anónimo disse...

Eu também estou na situação de super apaixonada por um padre.. abaixo de Deus ele é tudo pra mim, mas o melhor a fazer é tentar esquecê-lo.

Anónimo disse...

Então anónima do dia 14 Outubro, 2012 16:44, segundo uma confissão que tive a respeito da minha paixão por um padre, o mesmo me disse que isso não era pecado, mas o pecado está, creio eu, quando você impõe a sua vontade e se esquece da vontade e os desejos dos outros, colocando em 1º lugar a sua vontade e se esquecendo da liberdade e da felicidade do outro.

Anónimo disse...

BOM LI QUASE TODOS OS COMENTARIO, MAS MINHA REFERENCIA VAI AO QUE PASSO ULTIMAMENTE, E É COM UM SEMNINARISTA, ESTAMOS APAIXONADOS, E ACABAMOS NOS ENVOLVENDO,PRECISO SABER DELE O QUE REALMENTE ELE PRETENDE, MAS NÃO SEI COMO PERGUNTAR, POIS TENHO RECEIO DE PERGUNTAR E NÃO GOSTAR DA RESPOSTA, POIS EM MINHA MENTE É SE ELE DEIXOU-SE ENVOLVER DEIXOU-SE APAIXONAR, ELE PODE NÃO TER UMA VOCAÇÃO SANTA, QUE É O QUE PRECISAMOS, POR ISSO LHE PERGUNTO COMO DEVO AGIR, POIS JA TENTEI ME DISTANCIAR, MAS ELE NÃO DEIXA..JA TENTAMOS NÃO NOS FALAR MAIS, MAS ACABAMOS A VOLTAR...ENTÃO PRECISO DE UMA FORMA SABER O QUE FAZER, AO MESMO TEMPO QUE SEI QUE NÃO QUERO TIRA-LO DO CAMINHO DE DEUS, FICO NA DUVIDA POIS O AMO.

Anónimo disse...

Boa noite!
Me senti completamente tentada a comentar...
Assim como algumas colegas aqui, já caí de amores por um padre (e por sinal, ainda não me levantei...).
Me afastar dele não tem como, afinal ele é meu professor da faculdade...
Algo que acho importante esclarecer, é que, antes de tudo, me interessei por ele como homem, e não como padre... Até porque, deste fato só tomei conhecimento após quatro meses de aula...
Encaro isso apenas como uma loucura de minha parte.. Mesmo já tendo sonhado com ele por diversas noites, e até mesmo visto com outros olhos carinhos inocentes dele para com a minha pessoa..
Claro que, se ele não fosse 43 anos mais velho que eu, tomaria coragem e teria uma conversa bastante franca com ele... Mas no meu caso, isto está fora de questão..
O que me agradou nele, além da beleza (que fica em segundo plano), foi sua personalidade... Seu jeito brincalhão e sua forma maravilhosa de ver o mundo.
Acredito que parte das mulheres que alimentam esses amores platônicos, em algum momento foram magoadas por algum parceiro... E acabam vendo no padre uma pessoa boa, amável, incapaz de magoar... Claro, isso em alguns casos... Realmente, paixões por padres são grandes mistérios... O que acontece? Atração pelo impossível? Perversão? Opção? Azar? Seria o destino tão injusto, a ponto de condenar uma pessoa a solidão?

Anónimo disse...

Fiz um destes dias um comentário numa destas publicações, que ainda não apareceu (ou não chegou ou o Sr. Padre ainda não o viu). E hoje sinto-me impulsionada a comentar novamente, porque é algo que me magoa por dentro e que não posso / não consigo falar a ninguém a não ser a Deus. Nunca pensei que pudesse acontecer-me. Se calhar foi precisamente por isso, por não perceber o perigo, por baixar as defesas, que aconteceu. Não consigo deixar de culpar-me a mim mesma, pois não consigo entender o porquê de este sentimento tão forte e tão avassalador ter penetrado de forma tão entranhada dentro de mim... Às vezes sinto que envio mensagens contraditórias a Deus, porque todos os dias Lhe peço que me ajude a ultrapassar este sentimento, todos os dias Lhe rezo pela fidelidade do padre por quem me apaixonei, todos os dias Lhe peço que o homem e o padre permaneçam indissociáveis, mas... Não é com o coração que devemos rezar? Não conhece Deus o íntimo do meu coração? Não é a minha razão que percebe que outra realidade seria insustentável, não é da minha razão que surge o respeito pela sua condição de Padre? Sr. Padre, serei hipócrita nas minhas orações? Nós também pecamos em pensamentos, eu sinto que o meu coração é impuro... Perdoem-me os desabafos, mas eu já não posso mais...
No meu caso, tenho a certeza absoluta que me apaixonei pelo homem. Contudo, na minha forma de ver, o ser padre faz parte do homem que ele é! E, talvez por isso, não o imagino feliz de outra forma, penso que jamais seria feliz sem o sacerdócio, não seria um homem completo.
Não sei se me fiz entender...

Anónimo disse...

Olá, por favor me tire uma dúvida, para o padre é pecado amar um padre, ou o padre se apaixonar, mesmo que não leve adiante, estaria pecando em pensamento, mesmo que não fosse desejo carnal? mas também não fosse só amizade? pois o padre disse que é tentação demoníaca, que a pessoa esta com tentação diabólica, isso é uma desculpa pra fugir do que sente ou realmente toda vez que há envolvimento sentimental, apaixonado é o demônio? amar também não é coisa de Deus? muito confusa. Gostaria de saber realmente a opinião do padre se é que pode falar, numa confissão sobre uma mulher esta apaixonada por outro padre, como o padre ve isso?

Confessionário disse...

O amor é Bom, mas não significa que o seu uso seja sempre correcto ou equilibrado.

Angela disse...

Para responder a isso eu posso falar por mim que quero viver o celibato só para Deus, e com a graça da Deus não quero me deixar levar pelas paixões, o nosso corpo e o demónio declaram uma guerra constante contra a nossa alma. E é por isso que quando Jesus diz que Ele não veio ao mundo trazer a paz mas a guerra, Ele refere-se à esta guerra, da nossa alma contra, as paixões da carne, Ora se essa mulher não consegue mais dominar as suas paixões é porque está fraca na oração,e assim facilmente é vencida pela carne e pelo demonio,deixando de ser livre para saber se é paixão e ´não amor verdadeiro que vem de Deus. com sei esse sentimento dela não é verdadeiro,porque não é da vontade de Deus mas uma tentação do diabo que ela tem que vencer,deve mortificar o corpo os pensamentos e orar para voltar a purificar-se e libertar-se desses pensamento.Deve pedir muito ajuda a Deus,viver mais perto de Deus,mais para Deus do que para o padre para saber separar as águas puras das impuras e que desagradam a Deus. Deus nunca só chama um padre para padre e não para casar com uma mulher. Para viver como Jesus puro e Santo como Jesus e assim Deus agir melhor no padre. Por isso essa senhora deve afastar-se ou dominar os seus pensamentos,aceitar que está errada e a ser levada por satanás. Deve ter pensamentos ~puros e não se deixar iludir pela mentira e engando que vêm do inimigo. Eu sei do que falo porque já o vivi não com um padre graças a Deus, mas com os homens. Que Deus lhe dê muitas graças e a liberte para o Amor de Deus acima de tudo e aí é que saberá qual a verdadeira felicidade.

Anónimo disse...

Fui percebida por um padre que já conhecia há mais de ano. Ele percebeu minha tristeza em meio a uma igreja repleta de fiéis. Fui literalmente abandonada por meu marido, o qual saiu de nossa casa deixando claro que não queria mais participar daquela vida que vivíamos com nossas filhas. O choque foi grande, pois, eu nunca pude esperar tamanha traição depois de mais de 15 anos de relacionamento. Bom, esse padre me parou na saída da missa e tentou acalmar-me com palavras de força e fé. Marcamos um encontro, diria que uma confissão, na casa de diversas atividades paroquiais, onde fui assistida por ele por mais de duas horas. Foi praticamente um monólogo onde eu simplesmente abri meu coração por completo, enquanto ele simplesmente me ouvia passivamente, algumas vezes me questionando para ir mais ao fundo do meu problema. Foi apenas um único encontro e depois disso, passei a desabafar nos momentos de maior insegurança através de mensagens eletrônicas. Um belo dia, bastante tempo e mensagens passadas, percebi que ele me buscava através do olhar em todas as missas e para a minha surpresa percebi que havia acontecido alguma coisa entre nós. Me senti com a alma gelada. Olhei para a cruz no altar e disse para Jesus..."Me ferrei meu Pai. Me apaixonei pelo padre!" (Com o perdão do termo chulo). Sei que há da parte dele uma certa admiração sobre minha pessoa, pois, ele mesmo o comentou em um de nossos encontros no final da missa, em meio a tantas outras pessoas que ali estavam. Apesar de vender-se uma imagem de que nada passa de um simples interesse de um padre em relação a um fiel em convalescença espiritual, ainda assim da para sentir que qualquer coisa a mais está acontecendo. Passei a enxerga-lo não mais como padre, mas como homem. Estou realmente amando esse padre, como nunca amei ninguém, nem mesmo o pai de minhas filhas, mas não me sinto no direito de interferir na missão desse homem. Sei que ele tem feito um certo esforço para não me deixar perceber o seu interesse e tento ser o mais discreta possível, procurando não deixar com que ele perceba que já senti que algo está no ar. Não vou me declarar, mesmo porque sei que de nada adiantaria, dada a sua seriedade em relação a sua escolha de vida sacerdotal. Sei também que seria uma batalha perdida mesmo antes de nela entrar. Já pensaram bater de frente com Deus, Na. Sra., Jesus, Igreja? Suicídio na certa! Além do mais,para que fazê-lo? Só traria mais desconforto para ambos. Confesso que não é fácil agir corretamente. Morro de vontade de jogar tudo para o alto e me atirar em seus braços. Mas, não o farei!Portanto, peço ao senhor, padre deste blog e a aqueles que oram, a gentileza de nos incluir em suas intenções. Acredito que a oração tem uma força excepcional e que através dela, Deus há de nos ajudar a nos esquecermos e seguirmos nossos caminhos de acordo com a Sua Vontade e os Seus Desígnios. Desculpem-me pelo longo texto. Que Deus e N. Sra. de Fátima abençoem a todos nós!

Confessionário disse...

última anónima, eu acho que deve fazer o "bem maior"... isto é, o que for mais importante... e terá de o descobrir...

Anónimo disse...

Última anônima,sou a anônima anterior a você! Observe o padre que você ama, veja se ele está se sentindo pleno e feliz hoje, sem saber do seu amor por ele. Então, seja honesta consigo mesma e pergunte-se se terá condições de fazê-lo feliz, tal e qual a Igreja hoje o faz. Por fim, tome sua decisão de declarar-se ou não. Peça a ajuda do Divino Espírito Santo para iluminá-la e para que você tome a decisão correta. Ore!

Anónimo disse...

“ Eu confesso que
Esta noite em sonho, Deus me permitiu ser beijada por um anjo. Foi o beijo mais doce e delicado que eu recebi em toda a minha vida. Senti sua presença de uma maneira tão real que quase me pareceu ter sentido o seu perfume no ar, o seu gosto em meus lábios. Beijo calmo, sereno, sem cobiça física, porém carinho em todo o seu potencial. Foi tão intenso que apenas um singelo beijo foi suficiente para me encher de alegria e deixá-la transbordar pelos meus olhos assim que os abri esta manhã. Todos perceberam meu sorriso estampado no rosto, minha leveza em saber que esse tipo de amor pode existir e superar qualquer mal pelo qual eu tenha que passar. Esse beijo me reanimou, me deu forças, esperança para prosseguir e está fazendo este dia ser tão especial!
Anjo que tem um nome o qual me reservo o direito de guardar em segredo. O meu doce segredo que só cabe ser dividido com Aquele que por Sua Imensa Misericórdia e Bondade me Permitiu possuir. Pois, através deste amor tenho superado uma grande dificuldade pela qual venho passando ultimamente. Por isso entendo que esse amor foi uma ajuda Divina para me salvar da tristeza e da solidão.
Faz algum tempo que amo esse anjo, mas sempre calada, em total sigilo. Diriam que sou louca se o soubessem, que perdi completamente o meu juízo. Não posso tirar a razão dessas pessoas.
É um amor solitário, porém! Via de mão única, pois, não haverá reciprocidade, contra fluxo. Nunca me declarei e nem me atreveria a fazê-lo, ousar tocar nos planos de Deus para essa alma tão nobre! Mesmo porque sei que de nada adiantaria dado o seu compromisso de vida, além de não me considerar a sua altura, digna de sua atenção especial. Na verdade, nem eu nem ninguém. O que ele faz lhe traz tanto prazer e felicidade que nenhuma mulher por melhor que seja conseguiria suplantar essa plenitude de vida da qual participa com tanta dedicação e talento. Sua vida é uma missão de caridade e misericórdia! Ele é um soldado de Deus!
Um anjo que por descuido caiu do céu!
Um anjo que tem feito meus dias valerem à pena!
Um anjo que tem me salvado de mim mesma e que provavelmente me ajudará a encontrar o caminho correto!
Ele não é meu, é de todos! Ele é único e polivalente! Ele é lindo por dentro e por fora, meigo, manso, iluminado, dono de um coração encantador e se doa a quem dele precisar!
Mas, esta noite, ainda que tenha sido através de um sonho, por um breve momento foi meu!
Enquanto eu dormia, meu anjo delicadamente me beijou!”

Anónimo disse...

Ela o ama e nunca conseguira tira-lo do coração...

Anónimo disse...

Mais que doloroso é um sentimento q é maior que o mundo inteiro... Eu amo um seminarista e nunca deixarei de amalo... Vou entrar no convento da vida por esse amor que é puro e verdadeiro...

Anónimo disse...

Apaixonar-se ´por um padre é muito difícil e perceber que ele está interessado por você, ainda por cima ouvir sua declaração é de enlouquecer. Foi o que aconteceu comigo. Por meses fiquei super confusa, com medo desse amor, medo de me entregar a essa paixão. Até que não resistir e me entreguei a esta paixão, foram momentos maravilhosos, porém descobri que eu não era a única, ele mantinha relações amorosas com diversas mulheres. Para mim foi uma dupla decepção. Esta atitude pra qualquer homem é inaceitável, imagine para um padre. Um padre que no seu dia a dia nas atividades pastorais é super correto e moralista e por tras é um homem promícuo. Sei que errei a me entregar a esta paixão, mas está muito difícil conviver com ele depois de descobrir que eu era só mais uma entre as diversas mulheres que ele se relaciona. Muito triste.

Anónimo disse...

Muito triste mesmo! Saia dessa! Você merece alguém que saiba lhe dar o valor que realmente possui. Esse padre errou feio ao escolher esse caminho como nosso pastor. Ele deveria dar exemplo de retidão, de respeito e amor ao próximo, de temor a Deus. E me parece que ele não possui nenhuma dessas características. Reze por ele e, também, peça a Deus que te ajude a esquecê-lo e seguir sua vida em frente, com a cabeça erguida, sua fé renovada e fortalecida.

Anónimo disse...

Sou do Brasil e em 2006 enviei ao Confessionário dum Padre uma mensagem pedindo ajuda, relatando o amor que eu sentia por um padre, onde, apesar de minhas orações ao contrário, a vida nos aproximou ao invés de nos afastar.
Hoje, Maio de 2014, passaram-se 8 anos, nem o tempo e nem a distância alterou meu sentimento, ainda o amo, nunca tivemos nada, temos uma ligação forte é certo, dessas que não se consegue entender ou encontrar explicações e que me fizeram procurar a psicanálise ...
Nesses 8 anos, o Padre cresceu muito hierarquicamente na Igreja, foi a escolha que fez ... Sempre acompanhei e vibrei com seu sucesso... Hoje é uma pessoa muito conhecida e super bem relacionada em toda nossa cidade, qualquer passo em falso seria o fim de sua carreira vocacional... Um verdadeiro escândalo... Ele sabe de meus sentimentos e eu já soube dos dele, ficamos anos sem nos ver e nos falar e um dia a vida nos reaproximou novamente e então, sempre que posso vou às suas celebrações. Já fui sua confidente, hoje eu o protejo e dou conselhos quanto a sua imagem... A vida dos Padres realmente não são fácies, ainda mais em uma cidade grande como a minha, um padre super conhecido e com tamanha projeção... Para quem não sabe, dentro da Igreja como em qualquer Empresa, existem ciúmes, invejas, puxadas de tapetes ... Realmente existe entre nós uma relação forte, de cumplicidade, de respeito mutuo, de confiança. Reafirmo que nunca tivemos nada, mas existe uma "eletricidade" no ar entre nós, um tipo de energia inexplicável. Eu sei, Eu sinto ... Parece que algo irá explodir a qualquer momento...

Para quem tiver interesse em ler o texto que nosso "Confessionário dum Padre" um dia escreveu a meu pedido baseado no email que lhe mandei quando descobri o amor que nascia dentro de mim ... Só não imaginava que fosse durar tanto...

http://eupadre.blogspot.com.br/2006/10/como-posso-sentir-amor-por-um-padre.html

Apenas uma Mulher do Brasil, que ama um padre

Anónimo disse...

Neste caso, se o amor for correspondido pelo padre, este só tem de deixar imediatamente a Igreja. É um ato supremo de egoísmo da parte do padre estar a alimentar as ilusões da outra parte. Vir mais tarde o padre andar à procura de alimentar o ego, à custa da mulher que por ele se apaixonou no passado é o mesmo que ser infiel no casamento. Um padre que for homem e goste de uma mulher deixa a Igreja e arranja outra profissão. Conheço vários casos destes. Obrigado por aceitar publicar este comentário.

Anónimo disse...

Bom..eu já passei por uma situação assim d ser apaixonada porum padre..ele semmpre soub dos meus sentimentos, na verdade ele que iniciou td, que me procurou dizendo se sentir atraido por mim, durante muito tempo convivemos com essa situação sem ao menos teruma aproximação maior...com o passar do tempo eu descobri que estava tendo relações com uma funcionaria da paroquia e fiquei magoada com as titudes dele....mas quando ele voltou a me procurar dizendo que ainda sentia atração por mim, eu abri o jogo, contei que já sabia que ele estava tendo um 'caso" com a empregada, mas a nossa atração de um pelo outro falou mais alto e acabamos nos encontrando algumas vezes e tendo relações que não pssavam de desejos e atração, nada de amor realmente....mas hoje, vivo numa situação muito complicada, não temos mais nda um com o outo, apenas amizade mas me sinto triste e decepcionada, pois, pelo o que percebo dele, ele irá largar o sacerdocio para ficar com ela, sendo que ela já deixou claro q não o ama e apenas quer tira-lo da vida d padre...

Anónimo disse...

Olá ... hoje depois de tanto chorar,resolvi pesquisar sobre mulheres que se apaixonam por padres. Estou vivendo essa situação a um ano e por não mais aguentar,resolvi procurá-lo,contei a ele tudo o que sinto,da culpa que carrego por amar um homem proibido pra mim.Ele sempre foi atencioso,nunca me olhou com outros olhos,pelo contrário é muito respeitador,se ele sente ou não algo por mim nunca demostrou .quando falei de tudo o que sentia,ele ficou sem palavras,pela primeira vez eu o vi em silêncio,e sem nada a dizer. Depois de um tempo ali calado,ele olhou nos meus olhos e falou."Não se culpe por isso " em seguida,se calou novamente .... ficamos ali por um bom tempo,eu chorava e ele calado,apenas me olhando.Não sei o que pensava naquele momento.E eu não sabia o que fazer.Depois de algum tempo ele disse que eu tinha que dividir isso com alguém,desabafar.Foi quando eu disse a ele não vou fazer isso,não quero confiar isso a ninguém,falei a vc porque não aguentava mais o amar em segredo ...Mas não quero e não devo ficar contando isso a mais ninguém.Eu pensei em me afastar da igreja,mas ele pediu para eu não fazer isso ... e disse que com o tempo isso vai passar,que amor só continua vivo dentro de nós quando cultivamos e cuidamos,caso contrário morre ... também discordei disso,afinal nunca convivi com ele,nunca tivemos nenhum contato,e como explicar esse amor que nasceu dentro de mim .... Enfim estou mais aliviada,afinal disse ele todo amor que tenho dentro de mim ... Mas esse amor vai ficar aqui comigo,vai ser meu segredo,o sentimento mais puro e lindo que já senti por alguém... E quanto a ele,não sei,não o vi mais,mas com certeza esse domingo vou encontra-lo ... tremo só de pensar como vai ser esse encontro ... Mas como prometi a ele,vou continuar ali,o vendo de longe,ouvindo suas doces palavras e sufocando todo esse amor dentro de mim ...

Anónimo disse...

Não sei expressar a angústia de viver um sentimento solitário. Sei que é amor! Tenho certeza que é o amor da minha vida! Há 10 anos, convivo diariamente com este sentimento. Um padre, que é um grande amigo, trocamos confidencias e rimos muito juntos. Nos entendemos pelo olhar; os mesmos olhares que nos despertaram um para o outro. Entreguei - me a este homem, entreguei-me ao amor que sinto por ele. Nunca tive coragem de revelar o que eu sentia por medo de sua reação. Há dois anos, quando teve a certeza do meu amor, ele se afastou como se eu fosse um ser com uma doença contagiosa. Perdi o conselheiro padre, o amigo de risadas fáceis e o amor da minha vida. Estou doente, sofrendo e sozinha. Não o vejo mais, não nos falamos mais, não há mais intimidade. Afastei-me da igreja, das pessoas e tenho levado a vida buscando um rumo, um sentido, um objetivo.

Anónimo disse...

A você anônima da publicação do dia 04/07/2014.
Espero que você tenha se afastado apenas daquela paróquia, onde o padre pelo qual você se apaixonou, celebra missas. Esse é o momento em que você mais precisa se aproximar de Deus e a Igreja é o melhor lugar para encontrá-"Lo". A missa é como um medicamento para nossa alma, ou melhor, uma vitamina que nos alimenta com a Palavra de Deus. A cada missa, um degrau subimos em direção ao céu. Um pouco mais entendemos nosso Pai, que é misericordioso e nos ama incondicionalmente. Procure outra paróquia, mas não desista de Deus. Peça a Ele que interceda para que você "queira" deixar de amar o padre em questão. Deus não faz nada sozinho por nós. Precisamos fazer a nossa parte. Lute, sei que é difícil porque eu também amei profundamente um padre que sequer ficou sabendo de minha queda por ele. Pedí a Deus que me ajudasse a "querer" esquecê-lo. E como "Ele" é maravilhoso, a cada dia que passa sinto-me melhor, mais centrada e menos apaixonada. A vontade de viver a vida de maneira livre e desprendida, só me foi possível por estar de mãos dadas, colada no colo de Jesus e de Na. Sra. Apesar do meu amor pelo padre, nunca me afastei de Jesus! Pelo contrário! Quando percebí a enrascada em que eu havia me metido, corrí para a Igreja, quase que diariamente, procurando conforto na Palavra e na Eucaristia. Volte-se para Jesus! Peça corretamente e será atendida! Faça a sua parte! Não deixe de amar a sua vida, um presente "Divino", para vegetar amargurada, por um amor não correspondido. Entenda o lado desse padre. Ele foi chamado por Jesus e corretamente afastou-se de você, não por não ser seu amigo, ou por não gostar de você. Mas, por ser fiel ao seu compromisso firmado com a Igreja. A postura dele foi correta com você e com ele mesmo, uma vez que demonstrou sem milongas, com respeito a ambos, que fez uma escolha de vida e infelizmente nessa escolha não há espaço para mais ninguém, a não ser Deus. Minha querida, viva a sua vida com alegria! Com certeza Deus lhe permitiu viver esse desafio para que você possa sair vencedora dessa situação, com sua fé ainda mais fortalecida. Assim, quando for o momento certo de você encontrá-"Lo", sabendo nosso Pai de todas as suas dificuldades, limitações e tristezas, com certeza "Ele" haverá de coroá-la e reconhecê-la como vencedora por essa luta. Que Deus e Na. Sra. lhe abençoem e lhe ajudem a encontrar as respostas corretas para vencer essa etapa de sua vida. Força e fé!

Anónimo disse...

Achei muito interessante esse blog, era uma das coisas que procurava para tirar minhas dúvidas até, mais isso não vem caso..O que vem ao caso é que tudo que tem aqui no blog está relacionado na minha vida, tenho 22 anos..sou uma mulher..
Tenho uma ligação muito forte com os padres, até porque participo muito das coisas da igreja, então um certo dia conheci um diácono, tivemos uma longa amizade ao decorrer desse tempo, e logo me vinha na cabeça, nossa um homem tão bonito, e vai ser padre !! quando ele se formou em padre um tempo depois, continuamos essa amizade, mais chegou á um ponto extramente perigoso, pois o que era amizade hj parece não ser... eu tive um caso com ele, fiquei com ele na minha própria casa,.. depois continuamos a nos ver e ai por diante... quase tava me apaixonando por ele, mais eu desisti á tempo,pq sabia que ele nunca ia, deixar a batina..então saí fora.. um tempo depois residia no meu municipio um padre, que por vista, qualquer mulher se apaixonaria por ele..pq ele passa de lindo.. esses desejos não passam! eles os padres sente a mesma coisa que nós sentimos, prazeres, desejos...e tudo mais..pois acabei ficando com esse outro padre, mais esse foi diferente, tive algo á mais com ele.. formos para um motel, e tivemos relações... foi bom, e logo marcamos outros encontros até a hora a dele ir embora para sua terra.. ele diz não ter se arrependido e eu tbm não, mais Deus não deixou de amar agente por nossas fraquezas.. mais como saber se o perdão foi concediddo se nenhum dos dois se arrependeu? hje eu não posso mais me comungar por isso.. pq não me arrependi, agora pergunto, com tudo que ele fez comigo ele pode se comungar, e tudo!?? fico pensando... mais isso vai acabar, pois formos dominados pelos prazeres da carne.. oq vcs me dizem sobre isso?? agora acho normal, não vejo ele mais como padre de jeito nenhum e penso: será q todos padres são assim??? quando vou á uma missa, não vejo o padre como padre... :/

Anónimo disse...

Adoro este blog e adoro participar dele com meus comentários. Espero não estar sendo desagradável com minha participação.
A você anônima do dia 28/07...Você é muito jovem e em apenas 22 anos de vida já teve compromissos sérios com dois padres! E homens sem compromisso, você se sente atraída por eles? Não quero ser invasiva, nem a conheço e não cabe a mim nem a ninguém julgá-la, mas me parece que você se sente atraída pelo desafio de tornar-se mais importante do que a Igreja o é para esses padres. Sem sombra de dúvidas, eles são homens e possuem exatamente os mesmos sentimentos que todos os demais seres humanos. Sendo você jovem, provavelmente atraente e, considerando a “solidão física”em que os padres vivem, não é nada difícil que o “homem” acabe falando mais alto do que o padre! Mas, isso é a tentação! E tentação há para ambos os lados! Pode não ter havido arrependimento, mas poderá sim ter havido, por parte do padre, um desejo profundo de retomar a direção outrora escolhida, voltar-se para Deus de corpo e alma novamente e, ainda que reconhecendo-se pequeno e impotente perante o desafio da tentação, perdoar-se, esperando conforto espiritual em sua contínua busca por Deus. Com certeza ele se confessou com outro padre para poder continuar a ministrar missas e comungar. Somos a somatória de nossas atitudes! Não vejo o arrependimento como a condição mais importante para que consigamos o perdão de Deus. Mas, o reconhecimento de nossa própria impotência perante as tentações da vida e a necessidade de buscarmos o apoio de Nosso Pai para conseguirmos sobreviver neste mundo. O perdão ao meu ver, está intimamente relacionado a Deus e aos homens. Não quero com isso desmerecer a importância da presença do sacerdote quando intercede por nós, por nosso perdão junto a Deus, mas pode sim haver uma relação tão íntima com nosso Pai que nos leve ao Seu perdão, somente por tentarmos recobrar nossas consciências e voltar-nos a Ele, de cabeça baixa, resignados a nossa mísera condição de pequenos seres, completamente dependentes de sua misericórdia, ainda que não haja arrependimento sobre nossas atitudes, somente a vontade de voltarmos aos braços de Nosso Pai. Assim, como na parábola do filho pródigo. A cada experiência vivida, agregamos valores que poderão nos tornar melhores ou piores aos olhos de Deus. Depende de nós usufruirmos de nossas experiências de forma a transformá-las em um bem maior, que venha a beneficiar a todos que possam estar envolvidos em nossas histórias de vida. Somos passíveis de tentações e, com certeza, vez ou outra trairemos nossas próprias confianças, vindo a desapontar nosso Pai com a nossa fraqueza. Porém, enquanto houver a cobrança de nossas próprias consciências em relação aos nossos atos impensados, ainda haverá perdão. Não se esqueça... Jesus perdoou um ladrão pouco antes de seu último suspiro... Procure um padre para confessar-se! Com certeza, sendo verdadeira e autocrítica, o padre reconhecerá sua autenticidade e lhe concederá o perdão que, muito embora você ainda não tenha percebido, está avidamente buscando. Vá em busca de sua paz! Que o Espírito Santo lhe conceda a luz necessária para seguir o melhor caminho para chegar cada vez mais perto de Deus.

Anónimo disse...

Eu invejo vc...queria estar com meu padre assim como vc...hj eu fujo dele...e ele de mim..mas eu o amo com toda minha alma...trocaria tudo para ficar com ele...

Anónimo disse...

No meu caso também não foi por falta de oração, sou uma mulher casada, com dois filhos que sempre me acompanham quando vou à missa, tenho vários problemas com meu marido, então passei a rezar o terço diariamente, leio o evangelho diário e a vida do Santo do Dia, e sempre pedia com muita devoção pela conversão de meu marido. Sempre admirei o padre e percebia sua atenção, sempre o tratei por Senhor, apesar de ser um pouco mais novo que eu. Quando intuitivamente senti seu interesse aumentando tentei me afastar, mas num dia quando percebi seu ciúmes foi impossível não reconhecer o interesse do padre, caíram minhas barreiras, desfizeram minhas forças,deslizaram por terra minhas convicções, me apaixonei.
Nunca aconteceu nada entre nós, mas conversamos sobre os meus problemas, ele fez um retiro, logo depois adoeceu, mas já se recuperou, isso fez com que ele ficasse mais moderado. Quanto a mim, primeiro a euforia depois a depressão e a culpa, e também problemas de saúde. Ainda estou no sufoco, e acredito ele também, não sei o que vai acontecer.É muito difícil lutar contra isso, continuo orando, rezando, mas meus pensamentos me levam sempre a ele.

Anónimo disse...

Eu amo muito um padre que e o pároco da minha paroquia eu o desejo cada vez mais e já tente o esquecer mas nao resulta eu já tentei ate em me declarar mas tenho medo de que ele se afaste de mim por favor me ajudem pois eu tenho medo que talvez se ele souber ele se afaste de mim.

Anónimo disse...

As coisas não são tão fácies quando falamos das questões do coração e principalmente quando envolve sacerdotes...
Eu não sei se amo um sacerdote, mas tenho medo de descobrir. Oro fervorosamente todas as noites pedindo ao nosso senhor que me livre de qualquer sentimento que meu coração queira nutrir. Passei noites há me questionar do que se passava dentro de mim. Não durmo, não me alimento direito, as vezes sinto raiva e discuto comigo mesmo com medo dos meus sentimentos. Peço perdão a Deus por as vezes deixar a lembrança dele me invadir. Sei que não posso controlar meus sentimentos, mas eu não os aceito. Abordei comigo mesmo várias questões que talvez eu estivesse confundido.... Poderia ser admiração, um amor amigável, ou a forma como ele encara a vida, seu carisma, sua força diante dos conflitos e até mesmo que não fosse o homem mas a batina.
Não posso abandonar a igreja e nem ao menos me afastar ou mudar... Tem pessoas que precisam de mim e igreja também, mas en primeiro lugar vem a Deus. Que ele me perdoe se estou lhe traindo ou pecando, mas a cada vez que o olho sinto meu peito pulsar rapidamente. Eu não posso fingir a alegria que sinto ao ver ele. Quando vou a missa antes de chegar meu coração de acelera porque sei que ele estará na porta. Quando o vejo sorrir e pegar na minha sinto-me bem... Não sei dizer ao certo o que sinto, mas teve noites em que sai da igreja chorando discretamente por sentir meu peito arder de dor e melancolia. É tão difícil de explicar mas gosto de olha-lo sem as veste de sacerdote... ele fica tão comum com a calça jeans de cor escura e uma camiseta polo xadrez que as coisas chegam a ser bem mais fácies mas tudo volta ao normal quando o vejo celebrar a missa. Suas mãos são macias e sua face as vezes é áspera por conta da barba que esta crescendo.. Sua pele é branca como a neve, seus olhos são escuros como a noite,seu perfume é embriagante. Ele é um homem comum como todos os outros, usa óculos mas é um homem proibido por ser sacerdote ...ele escolheu a Deus, mas eu não posso controlar meus sentimentos. Estou com médio... muito medo do que eu possa estar sentindo...Meu senhor tire isso de mim e perdoe-me se peco, o senhor sabe que o amo mas as vezes a vida nos da dificuldades.. Eu não escolhi isso para mim... As vezes queria que alguém me dissesse o que esta acontecendo comigo, mas acredito que eu tenho a resposta e que só estou com medo de reconhecer. Só peço que Deus me ajude a encara-lá.
O padre não sabe o que se passa comigo e nem saberá, mas as vezes acho que ele sente a mesma confusão que sinto.
Se pudesse daria um jeito de isso tudo acabar mas não consigo, pois o desespero me bate a noite e sinto uma vontade absurda de procura-lo mas não faço.
Que Deus me dê discernimento para encarar essa situação.

Anónimo disse...

TEM PADRES QUE SE ENVOLVEM COM AS MULHERES DA PROPRIA PAROQUIA , E FORA DELA TAMBEM, E DEPOIS QUER DAR LIÇAO DE MORAL NA COMUNIDADE, QD ELE PROPRIO NAO TEM.

Anónimo disse...

Estou ficando louca! Já não sei o que fazer, nunca havia me apaixonado antes e quando aconteceu, foi justamente por um Padre! Sou cristã, católica, engajada em diversos projetos na igreja, e sei o tamanho do meu pecado, mas não posso evitar, estar próximo a ele me faz sentir uma felicidade imensa, sino por ele algo tão puro, tão doce que nunca imaginei nos dois em situações íntimas, tenho certeza de que se um dia nos relacionássemos iríamos ter Deus como alicerce e o respeito um pelo o outro! Quero muito confessar a ele isso, olhando em seus olhos, mas tenho medo de ele se afastar de mim, isso me faria sofrer demais. :((

Anónimo disse...

Lindo seu comentario.

Anónimo disse...

Entao, vou contar o que está acontecendo comigo... Tenho 16 anos, e o menino 15,ambas esperavam em Deus até nos conhecermos e sentirmos desejo pelo outro... Só que ele tem uma grande vontade de ser padre,mas ao mesmo tempo de ficar comigo... Eu não sei o que fazer, pois não quero atrapalhar a vocação dele, só que ele não tem certeza se é essa mesma... Quem quiser me dar Conselho, estou disposta.

Confessionário disse...

21 maio, 2015 02:29


Tem calma, ainda é muito cedo e ele vai ter de fazer uma opção de vida. O que eu faria era ajudá-lo a fazer esse discernimento, sem obrigar a nada, nem para um lado nem para o outro...
Além disso, tu tb és muito nova e a vida dá muitas voltas...

Anónimo disse...

Bom , eu Karina Rodrigues há poucos meses surgiu uma idéia de mudar de paróquia , até porque mesmo eu havia me mudado de bairro e iria ficar meio longe da antiga paróquia na qual eu frequentava .
E olha ... há duas paroquias perto do meu bairro atual ... a que fica mais perto é a paroquia são maximiliano ... eu poderia ir para essa paroquia que fica mais perto ...
Mas optei por ir a mais longe , a paroquia são francisco de assis .
Foi do nada , acho que foi o chamado de Deus
Chegando lá já gostei do Padre , pois foi o único que fez eu sentir a presença divina do espirito santo .

Mas no decorrer dos domingos de missa, comecei a observar muito o padre , na verdade é um frei , pois ele que é o pároco da minha paroquia ... eu comecei a me interessar em participar mais da igreja , inclusive eu já pedir para tirar uma foto com ele num evento da igreja, ele me abraçou tão forte , fiquei super feliz pelo abraço e pela foto , pois fiquei morrendo de vergonha de chegar para pedir a foto , mais ele foi muito gentil comigo .
Mas não tenho certeza dos meus sentimrntos , apenas o admiro , so que depois q tirei a foto eu fico olhando direto para meu retrato e o retrato dele , nós dois juntos lá .
Depois dessa foto meu pensamento só é apenas no frei , querido Frei hoslan guedes.
Mas sou muito nova , adolescente na verdade e ele parece ter uns 30 anos , dizem que tem 40 ...mais não dá para acreditar ...
Mas essa história ainda vai dar o que falar.

Que seje da vontade de Deus.
Não quero me apaixonar doentemente por um Frei , vou pedir muito para Deus tirar esse sentimento de mim .

Anónimo disse...

Confessionário.

Gostaria de conversar privadamente sobre o amor entre padre e uma mulher. Seria muito importante para mim.

Cris disse...

Olá, lendo os depoimentos de todos aqui resolvi contar minha história, exatamente a 3 meses atrás meu marido descobriu que eu e o Padre da minha Paróquia tinhamos um relacionamento.
Eu era secretaria da Paróquia a dois anos e fui trabalhar ali porque tinha problemas no relacionamento e ali teria ajuda dele e das irmãs,durante um ano tudo caminhava bem , mas como eu e meu marido estávamos sempre com problemas no casamento eu além da ajuda deles procurei um psicologo e com acompanhamento de um psiquiatra para medicação, comecei a mudar meu estio de vida, entrei para acadêmia, comecei dietas e com a ajuda dos remedios e td tratamento eu me transformei e passaram alguns meses o padre começou a mudar o tratamento comigo, tirava fotos minhas sem eu ver e me enviava dizendo de como eu estava linda, me abraçava diferente e eu achando sempre que ele estava me testando p saber se eu era fiél ao meu marido, p eles eram muito amigos,tanto que ele se ofereceu para ser padrinho de crisma do meu marido.
Eu sempre tratando ele com respeito, uma pq jamais iria imaginar que ele estivesse com alguma intenção para comigo e outra p ele era um padre lindo e eu achava que nunca fosse se interessar por mim, pq um dos meus traumas era me sentir sempre feia e ele fazia eu me sentir bonita, mas os abraços dele foram ficando diferentes e eu comecei a enchergar ele como homem, e nossas conversas no whatsap foram começando a mudar o rumo, e fui me apaixonando, Resolvi pedir p sair do trabalho e ele não aceitava, foi quando me dei conta do interesse dele.
Ele me envolvia de uma maneira que não conseguia mais sair de lá, mas ao mesmo tempo que fazia isso, também me dizia coisas para melhorar meu casamento e me deixava confusa, mas meus sentimentos estavão cada vez mais fortes e eu sentia nos abraços e nas mensagens que os dele tb estavão, pelo menos era o que eu pensava, os dias foram passando e cada vez nos aproximavamos mais até que um dia fomos mais além e não conseguiamos mais parar, eu fiquei perturbada com a situaçao, pois meus filhos participavam assiduamente da igreja,um deles era acólito dele e meu marido vivia pedindo ajuda para ele em confissão pois sentia que eu estava distante, e o padre agia como se nada estivesse acontecendo.
Eu não conseguia mais ficar longe dele e ele também dizia o tempo td que não conseguia mais ficar longe de mim, eu fiquei cega.Ele era um pároco muito querido por tds e muitas mulheres eram loucas por ele tb pq era muito bonito e eu me sentia vaidosa por ele sentir isso por mim e deixei as coisas irem mais longe,só que em uma noite estavamos conversando no whatsap e sem querer deixei meu celular sem deletar a conversa e meu marido pegou e descobriu tudo, foi horrivel, resumindo ele foi embora p São Paulo e nunca mais me procurou, segue no Sacerdócio como se nada tivesse acontecido, eu estou separada, perdi meu emprego, não posso mais frequentar a Paróquia, pois muitas pessoas que se dizem cristãs ali naõ me aceitam mais e fiquei desmoralizada perante as pessoas, além da vergonha para os meus filhos e até hoje ele não foi capaz de saber como eu estou.

Anónimo disse...

Estou chocada lendo esses comentários por favor não estou aqui julgando vcs quero deixar aqui uma reflexão para mulheres solteiras e até casadas da igreja que acabam sucumbindo a tentação e cedem ao pecado mortal a uma fornicação ou adultério com um seminarista ou padre ordenado. Primeira coisa uma mulher seja ela solteira ou casada tem que usar a razão(cabeça)e não se deixar pelas emoções e pelos apelos do coração. Sabe porque o coração do ser humano é enganoso, corrupto, já diz nas sagradas escrituras então como confiar nele? O coração que falo não é órgão são os sentimentos que ele brota no nosso coração e se atendermos todos "desejos" dele que a maioria das vezes ele é contrário a lei de Deus quer que vc o transgrida serás sempre uma presa fácil do seu próprio coração.
Então quem deve mandar na sua vida é sua cabeça fazer o uso da razão pensem e repensem mil vezes aonde esse seu coração está sugerindo e te levando porque uma coisa certa isso em todas as áreas da nossa vida.Para fazermos as escolhas certas primeiro temos que parar pensar se o que meu coração tá falando bate com a sã doutrina da igreja onde Deus está se não está de acordo isso sinal VERMELHO caia fora dessa situação imediatamente o mal se corta pela raiz não se dialoga, não ouve, não alisa, não brinca com pecado, não questiona, não se rebele irmã ou irmão em Cristo não tá de acordo com que a igreja ensina na sua tradição, magistério, sagradas escrituras que é a VERDADE vc está caindo numa cilada e se continuar alimentando essa situação só amargará infelicidade e pior de tudo de um ser humano ficar longe da comunhão com Deus pai.
A sinceridade é que agrada a Deus não se brinca com nosso Senhor todas as vocações da igreja ninguém obrigado a escolher a vocação do sacerdócio, vocação matrimônio, vocação leigos celibatários,vocação religiosa(o) freira, frei até porque vocação é um chamado de Deus a pessoa precisa volto a dizer a ter uma profunda experiência com Deus muitas das vezes experimentar uma CONVERSÃO porque tem pessoas pode ter nascido na igreja mais ela ou ele ainda não foi tocado por Deus não mudou a sua vida, sua mente, seu coração, sua atitude,seu atos não tem arrependimento(obs: não é remorso), não confessa seus pecados, ainda vive uma vida mundana e pagã nem parece que é da igreja só é um expectador ou expectadora pode ir até a missa todos os dias ou não o famoso convencido(a)não é um convertido(a)isso algo para que muitos cristãos católicos e católicas fiquem atentos e olham para si mesmos e suas vidas está de acordo como um verdadeiro cristão católico praticante com que a igreja ensina a sua sã doutrina essa primeira etapa.Eu penso isso todos os dias na minha vida ser cristã ou cristão não existe moleza e facilidades se isso tá acontecendo algo está errado. cont...

Anónimo disse...

cont...2
A primeira vocação de todo ser humano é a SANTIDADE ser santo(a) não é moralismo, puritanismo é ser pleno no AMOR primeiro para com Deus e depois para si mesmo e logo em seguida para servir ao seu próximo.
A segunda etapa e ser sincero de coração para poder ouvir aonde Deus me quer não a sua voz,não é a voz da sua família,não é voz do seus amigos da igreja e sim ouvir a própria voz do próprio Deus em sua alma porque uma coisa não tenho dúvida ele te dirá qual a vocação a seguir. Todos nos somos inclinados para uma dessas vocações nossa própria história de vida falará terá sinais evidentes da mesma. TODA VOCAÇÃO QUE VC ABRAÇAR NÃO EXISTE FLORES, MOLEZA, GLAMOUR, FAMA, STATUS, VANTAGENS E SIM CRUZ NO DIA A DIA PARA SER FIEL ATÉ O FIM DA VOCAÇÃO QUE DEUS ESCOLHEU PARA VC EXERCER PORQUE TU DARÁ CONTA A DEUS QUANDO VC FALECER NO DIA DO SEU JUÍZO ISSO SÉRIO OS CRISTÃOS DEVERIA TER UM TEMOR(RESPEITO)COM AS OBRAS DE DEUS QUE DEUS O CONFIOU. Se um homem escolheu a ser padre ele casou com a igreja não é uma ideologia(Ele se casou a noiva de Cristo que é a igreja ) para ser o novo Cristo na terra a vida dele estar entregue 100% para ajudar as almas e difundir o reino do Cristo REI é o sacrifício. Se um homem e uma mulher decidem que a vocação deles é o matrimônio eles se amam vão se casar e fazer uma aliança no altar de Deus ser fiel até morte ambos se entregarem um ao outro todos dias serem 100% um do outro amar estarão abertos a vida para vinda de seus filhos(as) e daí por diante outras vocações.
VOCAÇÃO REPITO É UM CHAMADO DE DEUS TODO VOCAÇÃO EXIGE UMA ENTREGA TOTAL VC NÃO PODE SE ENTREGAR PELA METADE PORQUE CRISTO ELE INTEIRO JUNTAMENTE COM A CRUZ E TUDO ISSO EXIGE SACRIFÍCIO DA PARTE DA PESSOA.

Anónimo disse...

Cont...3 Esse comentário vai para Cris que escreveu esse seu relato de tantos que vê aqui chocante o seu para mim foi demais a gota d água. Irmã conte com minha orações para vc e vou rezar para seu casamento ser restaurado toda sua família seja reerguida. Primeira coisa peço que não largue a igreja vá para outra paróquia e peça ajuda a um na pastoral da família conte seu caso muito sério fiquei muito consternada com sua história que parece estou lendo um roteiro de um filme ou uma novela.
Primeira coisa quem sou para julgar vc e qualquer uma desses relatos desse blog ao contrário eu dou misericórdia, compaixão, piedade com as fracas e os fracos porque qualquer pessoa é sujeito(a) a cair infelizmente no pecado.
Primeiro tava aqui lendo seu comentário e refletindo 2 possibilidades nesse seu caso primeiro esse falso "padre" ele usa uma máscara está dentro da igreja isso tá claro que ele não exerce a vocação que ele abraçou o sacerdócio ele não vive o celibato que quando ele entrou sabia que isso é uma regra básico disciplinar da igreja ninguém o enganou foi para seminário por livre espontânea consciência e vontade.
Fico imaginando a cara de pau isso constituiu uma falha de caráter ele um lobo em pele de cordeiro usa sacerdócio algo santo para seduzir, envolver, cercar, mirar, aquelas fiéis solteiras e casadas fracas na fé que são carentes, vulneráveis emocionalmente, sentimentalmente, embrulha meu estômago desculpa como uma pessoa tem coragem de fazer isso digo tenho muita pena da alma dele. Há se ele não se arrepender e não se converter não se tornar um verdadeiro padre sinceramente não queria estar na pele no dia do seu juízo ele prestará conta a Deus.Uma pessoa dessa é perigosa, dissimulado junto com povo de Deus o espírito dele é do traidor de Judas Escariotes Deus me livre. Nesse caso Cris se vc estivesse forte na fé vc poderia ter colhido provas, fotos, vídeos, áudios da canalhice dele levar para o bispo da sua cidade ou estado tá claro que esse padre te assediou pelo que vc está contando em seu relato não partiu de vc essa atitude. A outra opção que eu acho que pior essa primeira hipótse que eu levanto aqui fiquei meia assim quando vc disse que seu marido e o padre eram amigos eles tinham uma amizade.
Será que não foi seu marido combinou com próprio padre para testar a sua fidelidade armou todo esse plano porque as vezes ele próprio desconfiava de ti ou ele só queria um álibi uma comprovação da sua infidelidade para cair fora mais rápido e vc ficar na mão dele no sentido olhem tenho provas conversas comprometedoras no watzapp, selfies com padre se passar por vítima dessa história para todo mundo olha ela tava me traindo com próprio padre pode ser isso suposição não é uma afirmação as vezes já tinha uma outra amante para encobrir a sua própria infidelidade ele pode ter armado essa para vc legal como vc mesmo disse que seu casamento já estava algum tempo com problemas em crise. Infelizmente vc caiu e cedeu a tentação ao pecado do adultério foi pega no flagra em conversas comprometedoras em seu celular com seu próprio padre seu marido não sairia de casa por nada. Espero sinceramente que todas mulheres solteiras e casadas leiam esse seu relato olha o que faz uma escolha errada para pecado destruição de vidas e famílias. Repito estarei rezando por vc Cris, casamento, filhos.

Amanda Ribeiro disse...

Alguém ai já leu o blog da alice? Ele fala sobre relacionamentos com padres na visão da mulher. Vou deixar o endereço http://relatosdeumamentepensante.blogspot.com.br/

Alice disse...

Olá Cris,

Me solidarizo com sua história, pois também me envolvi com um padre por longos anos e meu relacionamento não teve um desfecho feliz, lendo o que escreveu sinto um pouco da sua dor. Mas creio que esse obstáculo foi um ensinamento de vida pra você fortalecer sua fé e repensar sua existência. Quem sabe aquele ambiente da paróquia não era o melhor lugar pra você, aquele emprego talvez não te acrescentasse tanto e o seu casamento se não foi forte o suficiente para continuar arguido após esta falha, talvez devesse mesmo encerrar o ciclo. Tente ver essa queda como um aprendizado e se reinvente. O sacerdote cometeu um erro enorme com você, infelizmente ainda temos padres assim, despreparados e com desvio de caráter, mas não deixe que essa história aprisione você e dite quem você pode ser, ok? Faça dessa queda um novo recomeço, aprenda com esse erro, reflita e retoma as rédeas da sua vida revigorada como uma boa cristã. Se você quiser conversar ou desabafar a respeito dessa relação, se precisar de apoio pode contar. Espero de coração que você siga forte e que seja feliz.

Anónimo disse...

Vivo essa mesma situação atualmente . Só que no meu caso me confessei sobre o meu sentimento.

Maria Madalena disse...

Padre, tenho lido o seu blog e descobri outro blog muito interessante, confessionário de um amor possível. Vai lá Padre, conversa com a Alice, adoraríamos ler um texto seu no blog dela. Relatosdeumamentepensante.blogspot.com.br/

Confessionário disse...

Maria Madalena, não leve a mal, mas tenho dificuldades (disponibilidade e sentido de missão) em visitar muitos outros blogs ou alimentar estes assuntos de forma menos ordenada. Costumo ser frontal e estar disponível para quem me procura contactar para ajudar, mas não ando à procura disso. Não leve a mal. Pode ser que algum dia o faça. Mas tb pode ser que não o faça.
cumprimentos

Maria Madalena disse...

Entendo, Padre. Obrigada. Que Deus te mantenha em seu caminho.
Parabéns pelo blog!

Anónimo disse...

Poxa,esta acontecendo quase isso cmg, fui tentar mim confessar mas n saiu nda,na confissão so disse que estava gostando de um padre e não sabia oq fazer,ele mim perguntou se eu ja tinha alguma relação c ele ou se ja tinha falado c ele,eu disse que esse padre nem imaginava Kkkkkk,as vezes converso c ele pelo Facebook, mas nda demais,ate perguntei se a algo de errado por sempre enviar msg para ele,ele disse q era para eu ficar a vontade kkk... Aiai viu,so falta coragem

Anónimo disse...

Estou numa situação complicada, difícil com um padre

Rusivania disse...

Eu tenho um ano nesse dilema.




Estela disse...

Oi Padre

Anónimo disse...

Vivo essa situação há muitos meses. Amo o Padre da minha paróquia, e o amo em silencio, não tenho coragem de expor meus sentimentos, temo por constrange-lo e isso gerar um afastamento da parte dele, e tudo o que eu menos quero é ter ele distante, por isso vivo esse amor em silencio até então... E isso me perturba, me angustia demais, e a cada dia que passa, o sentimento só cresce... A única coisa que venho fazendo atualmente é rezar, rezo em demasia, peço a Deus e a virgem Maria, que se esse sentimento for em total desagrado de Deus, que o tire de meu coração, eu renuncio. Agora se houver 0,1% de chances de Deus consentir esse amor, eu me apego a essa esperança e imploro que na hora certa tudo se encaminhe para nós dois... E alem disso, mostro minha afeição por ele, mas de forma discreta, procuro sempre estar próximo a ele, troco olhares discretos, sempre confesso com ele... Sei que essa situação é muito dolorosa para mim... ='(
Nicole

Anónimo disse...

rs, o tema é interessante que tem comentários até hoje, inclusive o meu.
Mas muito me intriga algumas questões
Fala-se muito da carência da mulher, mas eu acho que os padres são mais carentes do que todas juntas, já percebi dois padres apaixonados por mim, espassadas vezes que ia numa igreja e o padre a missa toda vez não tirava o olho de cima, não fui mais.
Uma outra ocasião, quase a mesma coisa, a diferença é que quando eu cheguei perto ele ficou vermelho que nem pimentão.
Uma outra ocasião voltando de uma viagem, um seminarista puxou conversa e disse que saiu de férias, e estava com uma cara de tarado que sai fora pq não dava nem para conversar.
Qual é o meu problema para atrair estes profissionais?
Sou executiva e de hábito estou sempre de social.
Entendo que todo mundo pode se apaixonar, mas não consigo entender um padre não poder se casar e poder ter mulher, pq são poucos os corajosos que deixam as mordomias da igreja para enfrentar a vida comum de um homem casado.
Pecado é brincar com os sentimentos alheios, pois muitas mulheres se apaixonam sim e amam padres, aí eles na carência aproveitam e depois de passada a fase vão se confessar com outro padre alegando fraqueza e tudo bem?
As vezes sem ao menos ir ter antes com seu irmão ou irmã?
E perante a Deus como fica?
Acredito que ou se é uma coisa ou outra.
O AMOR É PARA OS FORTES!

Anónimo disse...

ao anónimo do dia 29 agosto de 2016...
AMEI LER...

Anónimo disse...


Depois de muito rezar ao espirito santo, de várias formas Ele me mostrou que devo abrir meu coração e contar tudo o que está se passando ao padre... Tô muito ansiosa e demasiadamente receosa... Temo muito pela reação dele... Seguirei em oração e daqui para o fim do mês direi tudo o que sinto a ele, peço que rezem por mim...
Nicole

Anónimo disse...

Faz bem apegar em oração, principalmente ao Espirito Santo, já passei e passo por esta experiencia. Mas tem um porem, tenha paciência, e respeite o lado dele, as coisas de maneira natural ainda tem a melhor resposta. De uma certeza temos é sofrido mas é muito lindo. O amor verdadeiro vem de DEUS. Quando ELE esta no controle, tudo pode ter um rumo positivo. Não avance a privacidade. Entende.

Anónimo disse...

Faz bem apegar em oração, principalmente ao Espirito Santo, já passei e passo por esta experiencia. Mas tem um porem, tenha paciência, e respeite o lado dele, as coisas de maneira natural ainda tem a melhor resposta. De uma certeza temos é sofrido mas é muito lindo. O amor verdadeiro vem de DEUS. Quando ELE esta no controle, tudo pode ter um rumo positivo. Não avance a privacidade. Entende.

Anónimo disse...

Anonimo 09 outubro, 2016 02:52, é exatamente isso o que você colocou, partilho do mesmo pensamento... Não sei ainda onde está historia vai acabar, mas confio muito em Deus, seguirei firme em oração, e sei que dessa forma o melhor será feito, me resta ser paciente.

Mas voltando para contar, contei tudo a ele, me senti liberta. Tudo aconteceu bem naturalmente,fiquei muito nervosa mas ele foi muito acolhedor, disse a condição dele de padre, mas ao mesmo tempo demonstrou ter gostado de saber disso, muito mesmo, dentre outras coisas... Fiz minha parte, me sinto melhor... Continuo muito aflita por não ter ideia dos próximos capítulos dessa historia, e por perceber a cada dia que passa que nunca gostei de alguém assim tão forte em toda minha a vida... O respeito muito, não vou forçar nenhuma situação... Continuo indo as missas, e aos eventos da igreja, mesmo envergonhada, me limito apenas a trocar uns olhares... Agora aguardo uma atitude vindo dele, pela reação dele acho até possível que se aconteça... Mas tbm não sei... Meu coração tá pequenininho, me apego com toda a força a minha fé, sigo firme mais do que nunca em minhas orações, que Deus permita que o melhor aconteça para ambos. Continuem rezando por mim, gratidão!
Nicole

Anónimo disse...

É ISSO AI. Desistir nunca, quem sabe tudo pode se modificar para no vivente e sobreviventes nestas belas estorias. Tentar ser o mais natural possível. De uma coisa sabemos Deus jamais ira castigar quando amamos alguém ou algo na vida. Agora que teu coração esta enorme. Creia.

Confessionário disse...

às últimas comentadoras, gostava de dizer algo que acho bastante importante, para que não metamos no mesmo saco todas as coisas:
Deus de facto não castiga porque nos ama. Deus de facto quer-nos felizes, e é o amor que nos faz felizes. Mas isso não significa que tudo seja possível, plausível ou desejável no amor. Aliás, o verdadeiro amor é desinteressado, não busca para si mesmo, não tem qualquer interesse, quer que a pessoa amada seja feliz com o que é e como vive.
Ora, só porque amamos, ou porque estamos encantados (sim, muitas vezes é so encantamento), então já tudo é correcto e bom?! Se assim fosse, quando se mata por amor tb esse morte seria bom!
Estou a exagerar, amigas. E não quero entrar, como se diz em brasileiro, em michoroquice. Mas levemos as coisas com autenticidade, com verdade, e não pensemos que tudo é relativo, tudo é possível, tudo deve ser do nosso agrado. Isso chama-se egoísmo ou egocentrismo. Não se chama Amor.

Anónimo disse...

Blogger Confessionário... Você tem razão, tanto que Deus me livre de tê-lo para vê-lo infeliz ou sentindo-se culpado ao meu lado. Não busco isso. Quero o seu bem acima de tudo, até da minha própria vontade fervorosa de tê-lo comigo... Agora não serei hipócrita em dizer que não sonho com ele ao meu lado, que não o almejo a cada dia mais... Não vou impor a minha vontade jamais, mas não vou negar que torço para que as nossas vontades, a minha, a dele e a de Deus sejam congruentes... Por isso o tamanho da minha angustia... Eu não escolhi sentir isso, jamais escolheria me apaixonar, amar um padre, só Deus sabe o tamanho do sofrimento que isso acarreta... Enfim, a unica coisa que faço é rezar, rezar em demasia, rezar com força... Que Deus tenha de misericórdia e resolva essa situação o mais breve possível... E sim, tudo é possível... Aqui mesmo no Brasil (sou brasileira) nos últimos anos é imenso o numero de padres que largaram a batina para se casar... Mas estou com os pés no chão, pq sei que nada disso é fácil, e que as chances disso acontecer são remotas... Então só Deus mesmo pra resolver conforme a vontade Dele...
Nicole

Anónimo disse...

Anonimo 12 outubro, 2016 03:58 Isso mesmo, vou lutar até onde der, não vou desistir... Venho pedindo tbm incessantemente a Deus que me mostre uma resposta, que se caso seja do desagrado dele tudo isso, ele me mostre com clareza esse ''NÃO'' e console meu coração... Agora se houver uma chance qual for Dele ser favorável, que me mostre tbm, que espero que tudo aconteça no tempo Dele, conforme Sua vontade... Confio demais em Deus e sei que ele ta cuidando de tudo, seja qual for a resposta... Se até agora Ele não mostrou esse ''NÃO'' então sigo lutando! Você tbm vive essa situação? Partilhe um pouco tbm... É bom trocarmos ideias, experiencias... :)
Nicole

Confessionário disse...

Nicole, atenção que os Nãos e os Sins de Deus às vezes estão lá. Nós é que não os ouvimos, porque não queremos ouvi-los ou vê-los.

Anónimo disse...

Blogger Confessionário... Por isso tenho rezado muito ao Espirito Santo que me dê discernimento para perceber a resposta de Deus. Tanto que tudo tem se encaminhado conforme a vontade Dele... Quando decide me declarar para o padre foi tudo inspirado pelo Santo Espirito, estava aflita e me veio no coração uma vontade imensa de procurar um outro padre em uma outra Igreja que ninguém me conhecesse para ver oq ele tinha a me dizer sobre tudo isso... Antes de ir conversar com esse padre, rezei o Santo Terço implorei a Virgem Maria e ao Espirito Santo que me desse uma resposta através da boca daquele padre, poderia doer oq for, mas implorei que Deus me respondesse pela boca daquele sacerdote. E qual não foi minha surpresa, o padre me perguntou se eu ja tinha aberto meus sentimentos para o padre a quem eu amo, e eu disse que não, então ele mandou eu contar tudo a ele o quando antes, assim eu aliviava meu coração e colocaria um fim disso tudo de acordo com o posicionamento dele, seja negativo ou favorável. Foi o que eu fiz completamente guiada pelo Espirito Santo, porque por mim mesma eu nunca que teria coragem de dizer... E reação dele apesar de a priore ele ter dito a condição dele de padre, de modo geral ele se mostrou favorável... Agora o que tenho de fazer é esperar, rezar e ver ate onde essa historia ira chegar, como disse não forçarei nenhuma situação, tá tudo nas mãos de Deus. Peço tbm que o Senhor reze por mim, é mt angustiante está na minha situação... Gratidão!
Nicole

«O mais antigo ‹Mais antiga   1 – 200 de 221   Mais recente› Mais recente»